Notícias
projeto tamar

Tartarugas marinhas: reprodução está ameaçada

Fábio Paschoal - National Geographic Brasil - 24/09/2013

[img1]

[box-leia]A 33ª temporada reprodutiva das tartarugas marinhas sob a proteção do Tamar começou. Na temporada passada (2012/2013), o projeto alcançou a marca de 15 milhões de filhotes protegidos, número comemorado por Guy Marcovaldi. "Vamos continuar nessa luta por mais 33 anos. Ou até quando for preciso", afirmou o coordenador nacional do Tamar na ocasião. 

De setembro a março o litoral brasileiro é visitado por quatro das cinco espécies de tartarugas marinhas que ocorrem no país - a tartaruga-verde se reproduz em ilhas oceânicas de dezembro a julho. As mães voltam às praias onde nasceram para cavar um buraco e deixar seus ovos. Assim que os filhotes nascem, começam uma jornada em direção ao oceano e à maturidade. Apenas uma pequena parcela, contudo, conseguirá chegar à idade adulta. 

As ameaças às tartarugas marinhas começam antes mesmo de elas nascerem. Muitos ninhos ficam em praias movimentadas e podem ser pisoteados ou atacados por animais domésticos. A iluminação artificial é outro problema: além de desorientar os filhotes, que podem morrer por desidratação, ela pode espantar as mães que estão prestes a desovar. 

Ainda há o lixo: na areia, atrapalha as fêmeas que querem construir os ninhos e os filhotes que precisam chegar ao mar; no oceano, pode ser confundido como alimento e às vezes é engolido por engano, podendo matar o animal. 

Para garantir o sucesso reprodutivo das tartarugas marinhas, as bases do Tamar em áreas de reprodução no litoral (Bahia, Sergipe, Rio Grande do Norte, Espírito Santo e Rio de Janeiro) intensificam o trabalho nas praias e no mar durante esse período. A equipe do projeto monitora os locais de desova dia e noite. 

As mães são identificadas assim que chegam às praias para desovar. A equipe também coleta amostras de pele para a realização de estudos genéticos. Os ninhos são escavados para coleta e análise de dados, como o tempo de incubação e a taxa de eclosão e espécie, entre outros. 

Se algum ninho estiver em local perigoso, os ovos são transferidos para outros trechos da praia mais seguros ou são colocados em cercados de incubação nas bases do Tamar. O momento de abertura dos ninhos pode ser acompanhado nos centros de visitantes e acontece em maior intensidade entre novembro e fevereiro. 

O trabalho de educação ambiental e inclusão social, que já é feito junto às comunidades locais e aos turistas, continua e pode ser responsável pela manutenção de cerca de 70% dos ninhos no local original. 

As informações obtidas são armazenadas e inseridas no Sistema de Informações sobre Tartarugas Marinhas (Sitamar) e estarão disponíveis para pesquisas científicas. 

Mesmo com todos os problemas enfrentados pelas tartarugas-marinhas, na temporada 2012/2013 o Tamar protegeu mais de 24 mil ninhos no continente e nas ilhas oceânicas. Mais de 3 mil de fêmeas no momento da desova foram registradas e 1,5 milhão de filhotes chegaram em segurança ao mar. Nessa temporada, o projeto segue na luta pela conservação das cinco espécies de tartarugas marinhas encontradas no Brasil.