Notícias
Julio Bernardes Suplementação com açaí para tratar desnutrição de pacientes com câncer não é indicada
mito

Suplementação com açaí para tratar desnutrição de pacientes com câncer não é indicada

Flora Serra - Agência FAPESP - 25/10/2012

"Um dos principais desafios na luta contra o câncer é esclarecer os mitos que cercam a doença." Assim começa reportagem publicada em 4 de outubro de 2012 no site da BBC Brasil, sobre uma pesquisa apresentada no congresso da Sociedade Europeia de Oncologia Clínica, na Áustria, que destacou os principais mal-entendidos acerca do câncer que permeiam o imaginário popular.

No Brasil, estudos feitos por Marília Seelaender, professora associada do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB-USP), também têm ajudado a esclarecer aspectos associados ao câncer.

Segundo Seelaender, muitos profissionais da saúde buscam combater o tumor e não se importam em tratar o paciente por inteiro. As pesquisas que realiza buscam caracterizar a caquexia associada ao câncer, que consiste em uma inflamação crônica dos órgãos que causa desnutrição e perda excessiva de peso.

"A caquexia se manifesta em 80% dos casos terminais e é responsável pela morte de mais de 20% dos pacientes com câncer. Ainda assim, é tratada por meio da reposição calórica, a qual tem se revelado completamente inócua", disse.

Em seu mais recente trabalho científico concluído a respeito do tema, Seelaender investigou a suplementação com açaí em casos de caquexia. O estudo teve apoio da FAPESP por meio da modalidade Auxílio à Pesquisa - Regular.

Muito além de uma dieta de calorias - o que, segundo Seelaender, é a recomendação mais comum para atenuar a caquexia -, a pesquisa propôs analisar o efeito desse alimento em uma dieta de longo prazo, visando à modulação da expressão gênica pelo nutriente da fruta.

Sabe-se que o açaí tem propriedades antiinflamatórias em sua composição natural. No entanto, os estudos feitos no ICB-USP verificaram que, em bebidas comerciais, com a adição de xarope de glicose, os ganhos metabólicos dos nutrientes são eliminados.

"Essa constatação foi feita na primeira fase do projeto, quando testamos bebidas de açaí encontradas em supermercados na suplementação de ratos sadios. Pudemos notar início de esteatose - ou fígado gorduroso -, redução de enzimas ligadas ao metabolismo da glicose e aumento de peso e adiposidade", destacou Seelaender.

Na segunda etapa da pesquisa, o xarope de glicose foi substituído por mel orgânico, que tem propriedades antiproliferativas. "Dessa vez, comprovamos que, tanto nos animais sadios como nos que portavam tumor, a ingestão desse suco finalmente fez com que a propriedade antiinflamatória do açaí se manifestasse", disse Seelaender.

Para análise dos experimentos foi levada em conta a razão entre as citocinas pró e antiinflamatórias - IL-6 e IL-10 (interleucinas), respectivamente - presentes no fígado, no músculo e nos tecidos adiposos epididimal e retoperitoneal dos ratos.

Isso porque, em pacientes humanos caquéticos, a relação entre essas citocinas indica um perfil pró-inflamatório (ou seja, mais IL-6 do que IL-10), o que determina inflamação nos órgãos e, consequentemente, desnutrição nos pacientes com câncer.

"Então, nesse aspecto, a suplementação com açaí causou efeitos positivos, uma vez que reduziu a expressão da citocina pró-inflamatória no organismo", disse Seelaender.

AUMENTO TUMORAL
Outra propriedade do açaí, ainda mais conhecida do que a antiinflamatória, é a antioxidante. Seelaender e equipe procuraram verificar se a suplementação com suco de açaí e mel resultava na redução do estresse oxidativo relacionado à caquexia.

"A ingestão desse composto diminuiu a concentração de malondialdeído - que é um elemento pró-oxidante - apenas em ratos sadios. Além disso, em animais doentes, ela causou um aumento significativo da massa tumoral", disse.

O resultado é que, embora os nutrientes do açaí tragam melhorias em relação ao perfil antiinflamatório do organismo, eles não são eficientes no combate ao estresse oxidativo e ainda podem resultar no crescimento do tumor.

"Por conta disso, não indicamos a suplementação com açaí para o tratamento da caquexia associada ao câncer", advertiu Seelaender, que, atualmente, realiza testes em humanos, para analisar as consequências da prática de exercícios físicos no combate a esse sintoma.

Segundo a pesquisadora, essa relação já havia sido estudada em ratos com resultados surpreendentes. "Todos os sintomas da caquexia foram contrabalançados pela atividade física regular e, em humanos, já temos notado inclusive uma diminuição da massa tumoral", disse.

comments powered by Disqus