Notícias
tecnologia

Startup quer pôr fim aos testes em animais com ajuda de chip

Vanessa Daraya - INFO Online - 03/09/2014

[img1]

[box-leia]Um pequeno chip de plástico pode diminuir drasticamente os experimentos feitos em animais. Essa é a ideia da startup Emulate, que planeja investir 12 milhões de dólares para tornar viável a produção de uma tecnologia criada por cientistas da Universidade de Harvard

A Organs-on-Chips (Órgãos-em-Chips, em tradução livre), desenvolvida no Instituto Wyss, é feita para imitar órgãos humanos. Até agora, os testes foram bem sucedidos na reprodução de pulmão, fígado, intestino, rim e medula óssea. Mas o objetivo é recriar todos os órgãos do corpo. 

Os chips são integrados a um sistema com fluidos de células imunológicas. Dessa forma, é possível testar e avaliar os efeitos de novos medicamentos em células específicas e suas consequências no organismo. 

O chip de pulmão, por exemplo, tem canais revestidos por paredes formadas por tecido proveniente de um pulmão humano e vasos sanguíneos. Quando é aplicada uma espécie de sucção no local, a parede simula o movimento do órgão durante a respiração. 

A tecnologia não é nova. Os bioengenheiros têm trabalhado nela há cinco anos. Mas a criação da startup para conseguir comercializar os chips é recente. Se der certo, será uma ótima notícia para os animais. 

Todos os anos, mais de 100 milhões de sapos, gatos, cães, ratos, camundongos e coelhos são usados ​​em experimentos. E os testes podem não ser tão produtivos quanto o esperado. Como o organismo dos animais é muito diferente dos seres humanos, nem sempre os experimentos têm resultados eficazes. 

A Organs-on-Chips pode ajudar a resolver esse problema ao tornar os testes mais eficientes. 

Em nota, a Emulate afirma que planeja propiciar uma avaliação mais rápida e precisa das respostas humanas a medicamentos e cosméticos, além de criar novas ferramentas de orientação clínica para terapias personalizadas nos pacientes.

Tags: