Notícias
credibilidade

Relatório da ONU aumenta certeza de envolvimento humano no aquecimento global

Guilherme Rosa - Veja.com - 27/09/2013

[img1]

[box-leia]O mundo está esquentando e os cientistas têm quase certeza de que isso é culpa do homem. Segundo o novo relatório do IPCC (Painel Intergovernamental de Mudança Climática, ligado à ONU), divulgado nesta sexta-feira, as pesquisas mais recentes apontam que existe 95% de certeza do envolvimento humano no aquecimento global. Há seis anos, quando o relatório anterior foi divulgado, a certeza era de 90%. A diferença parece pouca, mas é significativa em termos científicos e sugere que aumentou a precisão dos modelos climáticos usado pelo IPCC, que se esforça em recuperar a credibilidade abalada nos últimos anos.

Depois de lançar seu último relatório, em 2007, o IPCC foi alvo de críticas por ter politizado a questão climática a ponto de flertar com a manipulação de dados de pesquisas científicas. Num esforço para responder aos críticos, o novo relatório é fruto de uma depuração dos trabalhos anteriores — com informações mais precisas, abrangentes e recentes — e se mostra mais cauteloso em apontar certezas. Por isso mesmo, suas previsões são inquietantes.

Os novos modelos climáticos permitiram aos cientistas afinarem as previsões anteriores sobre o quanto a atmosfera terrestre seria sensível ao aumento de dióxido de carbono emitido pelos seres humanos. Como resultado, o IPCC baixou — um pouco — sua previsão de aquecimento global para este século. Enquanto o relatório de 2007 previa que esse aumento na temperatura iria ficar entre 1,1 e 6,4 graus Celsius, o novo relatório afirma que a temperatura deve subir entre 0,3 e 4,8 graus Celsius — o que está longe de ser tranquilizador. Os cientistas do IPCC também reconhecem que o aquecimento global sofreu uma pausa na última década, mas alertam que o efeito é apenas passageiro, e o mundo deve voltar a esquentar nos próximos anos.

O RELATÓRIO EM NÚMEROS
O IPCC divulgou seu mais novo relatório nesta sexta-feira. Os dados, que passaram por uma revisão mais cuidadosa do que nos textos anteriores, continuam preocupantes

1.A temperatura na Terra subiu 0,85 grau Celsius entre 1880 e 2012.

2.Entre 1951 e 2012, a média de aumento na temperatura foi de 0,12 grau Celsius por década. Os cientistas do IPCC afirmam ter 95% de certeza de que o ser humano é responsável pela maior parte desse aquecimento

3.Desde 1998 o ritmo de aquecimento do planeta caiu para 0,05 grau Celsius por década, mas os pesquisadores afirmam que esse hiato é passageiro.

4.A concentração de dióxido de carbono na atmosfera hoje é 40% maior do que no período anterior à Revolução Industrial, principalmente por causa da queima de combustíveis fósseis.

5.Até o final do século, a temperatura pode subir 4,8 graus Celsius, na pior das hipóteses. No melhor cenário, onde as emissões humanas de dióxido de carbono são reduzidas ao máximo, esse aumento pode ficar em 0,3 grau.

6.O aumento no nível do mar deve ficar entre 26 e 82 centímetros até 2100

7.Os pesquisadores afirmam que é extremamente provável que a cobertura de gelo do ártico continue a diminuir até o final do século. Nos verões, essa cobertura pode perder entre 43% e 94% de sua área.

A revisão do modelo não elimina os riscos do aquecimento global. Está mantida a previsão de uma maior quantidade de eventos extremos, como tempestades, furacões e secas. E os cenários para as cidades litorâneas são ainda piores. O relatório de 2007 não levava em conta o derretimento de geleiras na Groenlândia e na Antártica para calcular o aumento no nível do mar, previsto entre 18 e 59 centímetros. Agora, com os modelos mais completos, o IPCC prevê que o nível dos mares vai aumentar entre 26 e 82 centímetros, o que ameaçaria inúmeras cidades costeiras.

O relatório de trinta páginas divulgado nesta sexta-feira é o produto de um encontro de cientistas e representantes governamentais reunidos em Estocolmo, na Suécia, desde segunda-feira. O texto, que é chamado de Sumário para Formuladores de Políticas, é o resumo de um relatório técnico de mais de duas mil páginas escrito por 900 cientistas reunidos pelo IPCC e deve servir para guiar as políticas públicas dos países signatários. O texto divulgado nesta sexta-feira é apenas a primeira das quatro partes que compõem o relatório completo do IPCC.

Esse é o quinto relatório lançado pelo IPCC desde 1988. "A ciência do clima é muito dinâmica. No decorrer dos anos muitos dados novos são publicados e os modelos climáticos se refinam. Por isso, até o momento, os relatórios tiveram uma periodicidade de cerca de 5 ou 6 anos", afirma o físico Paulo Artaxo, pesquisador da USP e membro do IPCC, que participou da realização do relatório atual e do anterior. A periodicidade permite que os resultados sejam cada vez mais confiáveis e precisos.

Para saber mais, leia na Veja Online.