Notícias
bom exemplo

Querência sai da lista de desmatadores da Amazônia

Marina Franco - Planeta Sustentável - 26/04/2011

Depois de a cidade de Paragominas, no Pará, ter saído da lista dos municípios que mais desmatam a Amazônia, outras cidades começam a seguir o exemplo. Agora foi a vez de Querência, no Mato Grosso. A cidade saiu da lista dos 42 municípios desmatadores, criado em 2007 pelo governo brasileiro, com uma redução significativa de seu desmate nos últimos dez anos.

Em 2000, Querência tinha área desmatada de 477,1 km². No ano passado o total reduziu para 21 km². Hoje, a cidade tem mais de 80% de seu território passível de CAR - Cadastramento Ambiental Rural registrados na Secretaria de Estado de Meio Ambiente de Mato Grosso. A retirada da lista vermelha dos municípios desmatadores foi publicada ontem, no Diário Oficial da União.

O prefeito da cidade, Fernando Gorgen, apontou duas grandes ajudas para o município sair da lista vermelha. A primeira vem da vontade de preservação ambiental dos próprios produtores locais, impulsionados também pela melhoria de preço de seus produtos no mercado. A outra contribuição veio de parcerias como a do ISA - Instituto Socioambiental, que segundo o prefeito, conquistou o respeitos dos agricultores.

O programa que incentivou a redução do desmatamento e possibilitou os 80% de CAR foi o Querência Mais, criado pelo Conselho de Meio Ambiente de Querência, o ISA e outros órgãos. A parceria com a ONG também promoveu a restauração florestal em APPs - Áreas de Preservação Permanente. Motivados pela campanha Y Ikatu Xingu, produtores rurais iniciaram o reflorestamento de 100 hectares de beiras de rios e nascentes.

A portaria no 139 que instituiu a retirada de Querência da lista vermelha afirma também que o município que monitorar seus desmatamento deve ser priorizado na alocação de incentivos econômicos e fiscais, de planos, programas e projetos do governo federal. Com a saída de Querência, agora são 41 municípios integrantes da lista, sendo que 19 deles estão em Mato Grosso e oito na Bacia do Rio Xingu.

comments powered by Disqus