Notícias
conferência de biodiesel

Produção nacional de biocombustíveis é tema de encontro

Redação - Planeta Sustentável - 18/11/2011

O papel da bioenergia é essencial na discussão de metas contra as mudanças climáticas. Entre 2005 e 2010, o Brasil deu um salto significativo na produção de biodiesel; a demanda de mercado interno cresceu e o mercado externo importa cada vez mais. 

Segundo o chefe-geral da Embrapa Agroenergia, Manoel Teixeira Souza Jr., "o tipo de insumo e matéria-prima utilizados refletem no custo final do produto, por isso, a indústria deve respeitar a cadeia de produção; inclusive, na hora de distribuição e consumo". 

No que se refere à exportação do biodiesel brasileiro, Souza Jr. alerta para a necessidade de programas governamentais que incentivem a produção de soja no país através do manejo sustentável da terra. Apesar de o Brasil ser o segundo maior produtor mundial de biodiesel, e ocupar a primeira posição no consumo mundial de biocombustíveis, a Argentina é o país que mais exporta na América Latina. 

Mesmo com os esforços em pesquisas de fontes alternativas para a produção de biocombustíveis, um dos grandes entraves na produção de óleo vegetal para uso em combustíveis é a dependência, quase exclusivamente, da soja - que hoje corresponde a 80% da matéria-prima de todo volume de biocombustível produzido no Brasil. 

Hoje, o pinhão-manso e a macaúba são considerados como alternativas para o fornecimento de matéria-prima. Segundo estudos da Embrapa, o pinhão-manso possui alta produtividade de óleo, baixo custo de produção e é resistente ao estresse hídrico, o que seria uma vantagem significativa principalmente na região semiárida do país. 

A macaúba, por sua vez, é uma palmeira nativa brasileira, amplamente distribuída pelo território nacional, comparável com o óleo de palma (ou dendê) em níveis de produtividade. Por meio de programas de melhoria da Embrapa, é possível fazer a caracterização da matéria a fim de transformar sua base genética para uso de combustível alternativo, além de verificar a toxidez do material. 

Manoel Souza Jr. destaca, porém, que os esforços de pesquisa e desenvolvimento do pinhão-manso e da macaúba são promessas que só poderão ser aplicadas na prática em médio prazo, após 2020. Por essa razão, investimentos públicos e privados nesse setor são urgentes e necessários. 

A produção de biocombustíveis no Brasil, bem como melhorias de produtividade foi tema discutido na Conferência Internacional de Biodiesel, nessa sexta-feira (18). Promovido pela FAAP, o encontro contou com a presença de diversos profissionais e estudantes da área.

comments powered by Disqus