Notícias
floresta em pé

Preservação da Mata Atlântica reduz gastos agrícolas

Kátia Arima - National Geographic Brasil - 14/04/2011

Uma pesquisa da USP com plantações de tomate revelou que um método de cultivo do fruto associado à preservação da Mata Atlântica diminui os custos de produção em até 84%, reduzindo a incidência de pragas na cultura. 

O estudo foi realizado pelo engenheiro agrônomo Fábio Leonardo Tomas, para sua dissertação de mestrado, A influência da biodiversidade florestal na ocorrência de insetos-praga e doenças em cultivos de tomate no município de Apiaí-SP, da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da USP (Universidade de São Paulo), em Piracicaba. Participaram da pesquisa produtores de tomate das cidades de Ribeirão Branco, Guapiara e Apiaí, do estado de São Paulo. 

O método desenvolvido por Tomas consiste em espalhar cultivos em clareiras de 25 por 25 metros abertas na mata a cada 300 metros de floresta, sem realizar o desmatamento completo da área. Nos experimentos, a porção de mata conservada agiu como regulador de pragas. 

Durante os dois anos de estudo, foram entrevistados cinco proprietários de cultivos convencionais. Uma das descobertas do estudo foi que, em cada roçado, ao menos três funcionários relataram eventos de intoxicação por elementos tóxicos. Além disso, os agrotóxicos encarecem os tomates. Segundo Tomas, o pé de tomate da plantação experimental custou R$ 0,80, enquanto o de cultivo tradicional é mais caro, cerca de R$ 5.

comments powered by Disqus