Notícias
impacto global

Pesquisa calcula o custo ambiental da vida online

Thiago Medaglia - National Graographic Brasil - 08/08/2011

Pense duas vezes antes de enviar uma mensagem eletrônica. Com 1,5 bilhão de pessoas navegando na internet todos os dias no mundo, é fato que atividades como enviar e-mails e baixar e partilhar documentos têm algum efeito sobre o planeta.

Um estudo feito em 2008 pela agência ambiental BIO Intelligence Service, a pedido da Comissão Europeia, atesta que o uso dessas tecnologias contribui com 2% das emissões dos gases de efeito estufa na Europa. E, caso algumas práticas não sejam alteradas, a taxa irá dobrar até o ano de 2020. O relatório foi publicado no jornal francês Le Monde.

Em outro estudo, a Agência Francesa de Meio Ambiente e Energia (Ademe) levantou que, naquele país, um indivíduo que trabalha em uma companhia com 100 empregados recebe, em média, 58 e-mails por dia e envia 33. Calculando cada mensagem com 1 MB de tamanho, a Ademe estima que e-mails profissionais sejam responsáveis pela emissão anual de 13.6 toneladas de CO2, ou 136 kg por empregado. Isso é o equivalente a 13 viagens de ida e volta entre Paris e Nova York.

As estimativas levam em conta a energia requerida por computadores para enviar e receber e-mails - incluindo os centros que armazenam e enviam os dados - bem como a energia necessária para se fazer os componentes eletrônicos.

O impacto ambiental, contudo, pode ser reduzido com certos cuidados. Quanto menor o número de receptores das mensagens, por exemplo, menor será a emissão de gases nocivos. A mesma regra vale para e-mails muito grandes. Guardar por longo tempo os e-mails em servidores também acarreta aumento do impacto no clima global.

Recorrer de forma desnecessária a sites de busca é outro problema, já que os servidores encarregados desses sistemas utilizam eletricidade, geram calor e necessitam de refrigeração constante. Salvar seus sites favoritos e ser preciso na escolha das palavras são algumas das alternativas para minimizar o impacto.

comments powered by Disqus