Notícias
rumo à Rio+20

Pnuma: água e bioenergia na economia verde

Sucena Shkrada Resk - Planeta Sustentável - 26/08/2011

O Pnuma - Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente lançou nesta quinta-feira (25), o Relatório sobre Economia Verde* e outro sobre a Relação de Bioenergia e Água*. Os estudos foram produzidos em um contexto em que um bilhão de pessoas não tem acesso à água potável e 2,6 bi a saneamento básico de qualidade. Por outro lado, exibe um quadro emergencial, no qual 1,4 mi crianças menores de cinco anos morrem anualmente por causa dessa carência.

O primeiro avalia o quadro de escassez de água no mundo e credita à economia verde a ênfase para a busca de oportunidades de se investir em setores que dependem e usam os recursos naturais e serviços de ecossistemas. Ao mesmo tempo, propõe uma transição a um conjunto de medidas políticas e administrativas para não degradar o ambiente e nem impor custos. No caso da água, muitos dos ganhos potenciais, de acordo com o estudo, se devem à decisão por investimentos na prestação de serviços de água e saneamento e, para isso, é preciso se redesenhar a governança.

Segundo o documento, é necessário um investimento anual no setor hídrico de 0,16% do PIB – Produto Interno Bruto mundial, que corresponde a US$ 198 bilhões, para diminuir a falta de água e reduzir pela metade o número de pessoas sem acesso sustentável a água potável e aos serviços de saneamento básico.

Mais uma constatação é que há relação entre falta de investimentos no setor com a redução de reservas de aquíferos. E os prognósticos não são nada animadores. Há a estimativa de que em duas décadas a demanda global será superior em 40% à oferta de água. Os países com impacto mais expressivo nas finanças, com a deficiência de saneamento básico, são Camboja, Indonésia, Filipinas e Vietnã. A cifra total chega a US$ 9 bilhões.

Bioenergia
No Relatório sobre a Relação de Bioenergia e Água* é destacado que todas as formas de energia têm, em maior ou menor grau, um impacto sobre os recursos hídricos. Ao mesmo tempo, aponta a complexidade entre a parte hídrica e a produção de biomassa e madeira ou subprodutos agrícolas, como a importância dela para o resfriamento no caso da energia nuclear.

Achim Steiner, diretor-executivo do Pnuma, afirma que a pesquisa é um importante instrumento para se compreender os riscos e aproveitar as oportunidades da bioenergia como parte de uma grande medida de sustentabilidade e será útil, durante as discussões a serem realizadas na Rio+20 Conferência das Nações Unidas em Desenvolvimento, entre 4 a 6 de junho de 2012, no Rio de Janeiro. O estudo foi realizado em parceria com a Oeko – Institut e a Agência Internacional de Energia. 

Leia também:
Conselho do Planeta Sustentável discute Rio+20
rumo à 2012 - Rio+20: seminário em SP discutirá participação social
Rio+20: Biodiversidade, Mudanças Climáticas e Crescimento Verde 
Sérgio Bessermann e as perspectivas para a Rio+20
O que esperar da Rio+20
Economia verde é tema de preparatória para Rio +20
Como está a produção mundial de bioenergia
Escassez de água no horizonte
O mundo com sede 

*Relatório Economia Verde 
*Relatório sobre a Relação de Bioenergia e Água

comments powered by Disqus