Notícias
atitude

Mulher cria entidade beneficente para organizar casamentos de doentes terminais

Rachel Moss - The Huffington Post UK - 03/09/2014

[img1]

[box-leia]A vida de Naomi Thomas mudou drasticamente desde que ela recebeu o diagnóstico de câncer de mama, em 2009. Mas, em vez de deixar que a doença tome conta de sua vida, ela está determinada a viver plenamente e ainda ajudar outros que enfrentam situação semelhante. 

Esta moça inspiradora é a fundadora da The Wedding Wishing Well Foundation (Fundação Poço dos Desejos de Casamento), organização beneficente que ajuda a organizar e pagar por casamentos de doentes terminais

Em entrevista ao HuffPost UK Lifestyle, Naomi disse que desde que recebeu o diagnóstico de câncer tomou a decisão de viver uma vida plena e feliz. 

"Ficamos espantados pelo fato de um desconhecido fazer algo tão gentil. Sam pôs mãos à obra, e em pouco tempo percebemos como é generosa a comunidade local. Isso me levou a pensar ‘talvez eu possa fazer a mesma coisa por outras pessoas com doenças em fase terminal’." 

Naomi e Graham se casaram em 6 de junho de 2012. Naomi, que já tinha trabalhado com organizadora de casamentos no passado, criou a The Wedding Wishing Well Foundation para dar a outras pessoas a mesma ajuda que Sam lhe havia dado. 

"A Wedding Wishing Well Foundation organiza e paga por casamentos de pessoas em todo o Reino Unido que são doentes terminais ou sofrem de uma doença que limita sua vida. Podemos fazer isso graças à ajuda de fornecedores muito generosos que oferecem seu tempo e conhecimentos de graça ou a preços muito reduzidos", Naomi explica. 

"Coisas como o custo das comidas e bebidas são financiadas pelo público. As pessoas nos apoiam levantando fundos através de coisas como corridas de 5km com patrocínio, saltos de paraquedas, maratonas de natação, bailes ou até vendendo bolos em seus locais de trabalho, tudo com renda revertida para nossa fundação. Também temos profissionais do setor de casamentos, como empresas de catering e fotógrafos, que nos dão uma porcentagem de cada serviço que realizam." 

Naomi explica que, para muitos doentes terminais, casar-se é tremendamente importante. "No meu caso, eu queria que nos casássemos para que nosso filhinho saiba que papai e mamãe se amaram o suficiente para se casarem e para que eu seja a esposa de meu marido até o dia em que ele conhecer outra pessoa. O casamento é algo que nunca ninguém vai poder nos tirar." 

"Percebo que outros casais sentem a mesma coisa. O casamento vira sua prioridade. Mas quando promovemos os casamentos, não estamos pensando apenas no casal: também pensamos nas famílias das pessoas. Pode ser a primeira vez em muito tempo que a família viu aquela pessoa sorrir, e talvez seja a última. É importante criar recordações." 

Naomi dirige ela pr ópria a fundação, apesar de estar doente. Diz que, embora seja difícil em alguns momentos, o esforço vale a pena. "Comandar a fundação é exaustivo, mas me motiva a sair da cama todos os dias", ela comenta. "Mesmo nos dias ruins, com dor, ainda posso estar fazendo planos em minha cabeça ou respondendo a e-mails." 

"A emoção de ver um de nossos casais celebrando seu casamento é algo que não tem igual. Me sinto privilegiada por ser alguém que facilitou um momento importante na vida deles, exatamente quando eles mais precisavam disso." "Espero que meu filho Devon veja o que eu fiz e sinta orgulho do que sua mãe realizou." 

O diagnóstico de câncer de mama mudou completamente a visão que Naomi tem da vida. Ela chega a dizer que a doença a ajudou a tornar-se uma pessoa melhor. "Hoje em dia não tolero mais que as pessoas me façam perder  tempo, porque meu tempo é tão precioso. Se há alguma coisa que não quero fazer, não faço, e se há algo que quero fazer, não o adio. Virei totalmente impaciente e quase totalmente destemida! Mas isso me fez ser uma pessoa melhor. Hoje eu, meus amigos e familiares todos reservamos um tempo para dizer que nos amamos, muito mais que antes." 

"Minhas prioridades hoje são meu filho e meu marido e criar recordações que ficarão para sempre. Documentamos tudo o que fazemos, para que meu filho saiba quem foi sua mamãe, e não apenas ouça outras pessoas contando." 

O trabalho feito pela Wishing Well Foundation leva alegria a pessoas que passam por um período dificílimo. É realmente notável que Naomi continue a ajudar outras pessoas, enquanto enfrenta o câncer. O que lhe dá a força interior necessária para nunca desistir? A resposta é simples: "meu filhinho e meu marido", ela diz. "Sem eles, eu não estaria aqui agora." 

Tags: