Notícias
combate ao desmatamento

Nova metodologia calcula eficiência de projetos de REDD

Débora Spitzcovsky - Planeta Sustentável - 19/07/2011

O Banco Mundial, em parceria com a FAS - Fundação Amazonas Sustentável, lançou nesta terça-feira, 19/07, a Metodologia de Desmatamento Não Planejado, uma ferramenta que promete ajudar a calcular, com precisão, a quantidade de gases do efeito estufa que deixaram de ser lançados na atmosfera graças aos projetos de REDD - Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação - sejam eles aplicadas em grandes áreas de mata ou em "mosaicos", ou seja, pequenas porções de floresta. 

A ideia é criar um sistema único para a remuneração das comunidades engajadas na preservação das florestas - que pode ser feita por meio da doação de recursos ou da geração de créditos de carbono negociados em mercado - e, assim, promover de uma só vez a conservação dos habitats naturais e o desenvolvimento social das regiões onde estão situados. 

A nova metodologia foi aprovada pelo VCS - Verified Carbon Standard - um reconhecido sistema internacional de certificação de iniciativas do mercado voluntário de carbono - e é universal, ou seja, pode ser aplicada no Brasil e em qualquer outra região do planeta que abrigue florestas. 

O Banco Mundial e a FAS esperam, ainda, que a nova ferramenta ajude a esquentar as discussões sobre REDD+ que acontecerão, em dezembro deste ano, na África do Sul, durante a COP17 - 17ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas

Leia também:
Pará terá benefícios com REDD, diz estudo 
REDD+ pode diminuir taxa de extinção da biodiversidade 
REDD: entenda este mecanismo de preservação florestal 

comments powered by Disqus