Notícias
poluição do ar

Mapa publicado pela Nasa mostra número de mortes ligadas à má qualidade do ar

Vanessa Barbosa - Exame.com - 20/09/2013

[img1]

[box-leia]Quando você visita um país, já se perguntou o quão prejudicial à sua saúde pode ser o ar da região? Como o perigo nem sempre é visível, um mapa publicado nesta quinta-feira, 19, pela Nasa - Agência Espacial Americana mostra o número de mortes prematuras no mundo ligadas à poluição do ar.

As áreas de cor marrom mais escuro possuem a maior quantidade de óbitos associados, principalmente, às malfadadas micropartículas poluentes PM2,5.

Medindo apenas 0,0025mm, elas resultam da combustão incompleta de combustíveis fósseis utilizados pelos veículos automotores ou em termelétricas, e formam, por exemplo, a fuligem preta em paredes de túneis.

Imperceptível a olho nu, o material particulado não encontra barreiras físicas: afeta o pulmão e pode causar asmas, bronquite, alergias e outras graves doenças cardiorrespiratórias.

China e Índia estão na zona de perigo. Elas são as duas nações do mundo mais dependentes de carvão para geração de energia elétrica, fonte fóssil extremamente poluente.

A projeção da Nasa é baseada num estudo feito pela Universidade da Carolina do Norte, nos Estados Unidos. Publicada no começo do ano, a pesquisa indica a ocorrência de 2,1 milhões de mortes prematuras por ano, no mundo, associadas à poluição do ar.