Notícias
energia

Ipen fabrica centésimo elemento combustível para reator nuclear

Redação - Agência Fapesp - 01/10/2012

O Centro do Combustível Nuclear (CCN) do Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen) realizou, a entrega formal do centésimo elemento combustível fabricado no instituto para o reator nuclear de pesquisas IEA-R1, no mês em que a instalação completa 55 anos de operação.

De acordo com o Ipen, foram realizados vários investimentos ao longo dos anos para adequação da fábrica de elementos combustíveis, de forma a cumprir as exigências em termos de qualidade, segurança e proteção ao meio ambiente, sem interromper a produção rotineira.

O IEA-R1 é o principal reator nuclear de pesquisas do Brasil, fundamental no desenvolvimento de pesquisas e na prestação de serviços de irradiação. Nele são fabricados os radioisótopos, matéria-prima para os radiofármacos, que ajudam a diagnosticar e a tratar doenças como o câncer, entre outras aplicações em áreas como cardiologia e neurologia.

Os elementos combustíveis utilizados pelo reator IEA-R1 são do tipo MTR (Materials Testing Reactor), formados pela montagem de um conjunto de placas combustíveis paralelas entre si, que permitem a passagem de um fluxo de água que serve como refrigerante e moderador.

A fabricação do combustível compreende processos químicos, metalúrgicos e cerâmicos, além de um cuidadoso controle dos processos envolvidos e da qualidade do produto final. Desde 1988 o Ipen consolidou a fabricação nacional do combustível para o seu reator de pesquisas IEA-R1, deixando de importar elementos combustíveis.

Em 2011, pesquisadores do CCN anunciaram o domínio tecnológico para produção de combustível com alta concentração de urânio, que incorpora 4,8 gramas de urânio por centímetro cúbico, limite atual para a tecnologia de dispersão à base de siliceto de urânio - os mais avançados comercialmente.

Este combustível será utilizado no Reator Multipropósito Brasileiro (RMB), projeto de um novo reator nuclear de pesquisas a ser instalado em Iperó, no interior paulista.

comments powered by Disqus