Notícias
desastre ecológico

Guerra à poluição na China será batalha difícil, diz primeiro-ministro

Redação - Agência Brasil - 13/03/2014

[img1]

[box-leia]O primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, disse hoje (13) que a guerra contra a poluição declarada pelo seu governo será uma batalha difícil. "Vai demorar tempo para vencer", acrescentou. "Não é uma guerra contra a natureza, mas contra o nosso ineficiente e insustentável modelo de crescimento e modo de vida", lembrou, no Grande Palácio do Povo, em Pequim.

Em entrevista, após a sessão anual da Assembleia Nacional Popular, Li Keqiang disse que as causas da poluição na China são complexas e que a solução vai demorar, mas o governo não pode ficar sentado e tem de agir. "A poluição tornou-se uma questão grave e afeta a vida da população", destacou.

Este ano, o corte no consumo de carvão, a principal fonte de energia no país, deve chegar a 220 milhões de toneladas, um aumento de 3,9% em relação a 2013.

O primeiro-ministro chinês prometeu "medidas duras" para defender o meio ambiente e alertou que os que violarem as regras ou "fecharem os olhos às infrações serão severamente punidos e responsabilizados".

Li Keqiang lembrou ainda que a China monitora a qualidade do ar em 164 das suas cidades, a "mais extensa rede do gênero em qualquer país em desenvolvimento". Segundo ele, o governo vai declarar guerra à poluição e combatê-la com a mesma determinação com que lutou contra a pobreza, diz relatório do governo chinês aprovado hoje por 99% dos cerca de 3 mil delegados presentes à Assembleia Nacional Popular.

Durante a sessão anual da assembleia, o vice-ministro da Proteção Ambiental, Wu Xiaoqing, indicou que entre as 74 principais cidades, apenas três (Haikou, Lhasa e Zhoushan) cumpriram os valores padrão de qualidade do ar em 2013. "Estamos pagando um preço muito alto pelo crescimento económico", disse Wu Xiaoqing.

Na última semana de fevereiro, em Pequim, a densidade de partículas PM2,5, as mais suscetíveis de se infiltrarem nos pulmões, chegou a ultrapassar os 400 microgramas por metro cúbico, muito acima do máximo de 25 estabelecido pela Organização Mundial da Saúde.

*Com informações da Agência Lusa.

Tags: