Notícias
Divulgação Flor-cadáver floresce em Inhotim
raridade

Flor-cadáver floresce em Inhotim

Marina Maciel - Planeta Sustentável - 14/12/2012

Floresceu hoje, 14/12, no Jardim Botânico de Inhotim, em Brumadinho, Minas Gerais, um exemplar da maior e mais mal cheirosa flor do mundo: a famosa flor-cadáver. Esta é a segunda vez que essa flor desabrocha em Inhotim, e na América Latina. A primeira foi em 2010 e o fato surpreendeu os pesquisadores do Instituto, uma vez que a planta floresce apenas uma vez a cada dez anos.

Assim que começou a se abrir, a equipe do jardim de Inhotim correu para fazer o registro que mostramos acima. A flor está dentro da estufa equatorial do Instituto – em condições de temperatura e umidade controladas que permitem o cultivo de espécies tropicais – e deve se abrir por inteiro até o final do dia. Com odor característico de carne podre – mais precisamente de açúcar queimado com peixe podre – a Amorphophallus titanum geralmente atrai milhões de curiosos a jardins botânicos pelo mundo. Em Inhotim, como sua florescência deve ter pouca duração (em 2010, foram apenas três dias), os interessados devem correr para conhecê-la ao vivo.

De acordo com a com Letícia Aguiar, gerente de Jardim Botânico e Meio Ambiente, o exemplar de Inhotim mede 70 centímetros de altura, e sua túbera – a imensa “batata” que fica sobre a terra – pesa 25 kg, mas geralmente a flor-cadáver pode chegar a três metros e pesar entre 18 e 20 kg quando está propenso a florir.

Apesar de ser conhecida como a “maior flor do mundo”, a espécie é na verdade uma inflorescência, ou seja, um conjunto de flores em uma estrutura compacta. Como uma batata, a planta possui um caule gigante subterrâneo, e produz a cada dois anos apenas uma folha, que pode atingir até 2 metros de altura e 7 metros de diâmetro.

Ao contrário dos polinizadores que conhecemos, como abelhas e borboletas, a flor-cadáver é polinizada por besouros e, ocasionalmente, por moscas, que são atraídos por seu odor fétido. A natureza é realmente sábia.

comments powered by Disqus