Notícias
comércio da lã

Como um suéter de cashmere ameaça o leopardo-das-neves

Vanessa Barbosa - Exame.com - 24/07/2013

[img1]

[box-leia]Se você é apaixonado por malhas de cashmere, atenção. Um novo estudo sugere que o aumento no comércio global da lã está comprometendo a sobrevivência de animais ícones da vida selvagem nas montanhas da Ásia Central, entre eles, o leopardo-das- neves, espécie considerada em risco de extinção.

De acordo com a pesquisa, publicada no periódico científico Conservation Biology, a demanda mundial por cashmere impulsiona a criação de um maior número de cabras na região, que por sua vez consomem quase toda a grama disponível para os antílopes, grandes mamíferos dos quais os predadores felinos dependem.

O estudo mostrou que 95% de toda a forragem que cobre o planalto do Tibete, Mongólia e norte da Índia foi consumida por cabras, ovelhas e outros animais, deixando apenas 5% para os animais selvagens, que sem comida, ou padecem oui migram para outras regiões.

Desprovidos de seu principal alimento, os leopardos muitas vezes passam a mirar a própria criação de cabras para garantir sua sobrevivência. Muitos acabam sendo abatidos pelos donos da terra.

"A influência humana exerce pressões ecológicas graves sobre a biodiversidade em escala local, mas também tem efeitos indiretos em cantos distantes do mundo", dizem os pesquisadores.

Para verificar a hipótese de que o comércio global de cashmere tem fortes efeitos negativos sobre grandes mamíferos nativos de desertos e pastagens elevadas, os pesquisadores analisaram uma série de dados temporais, imagens de satélite da biomassa nativa e também investiram no trabalho de campo.

Em entrevista ao jornal The Guardian, Charudutt Mishra, da Fundação de Conservação da Natureza da Índia, destaca que a questão é sensível, uma vez que a criação de cabra beneficia comunidades carentes.

Ao invés de coibir a atividade - que é legal e econômicamente importante -, ele sugere que se crie pequenos projetos que empodere essas comunidades, por exemplo, pagando um bônus para os produtores que não disparam nos animais.