Notícias
Reprodução Campanha busca voluntários digitais para combater violência sexual contra crianças
por uma infância livre

Campanha busca voluntários digitais para combater violência sexual contra crianças

Ana Carolina Pezzutto - Planeta Sustentável - 12/12/12

A violência sexual contra crianças e adolescentes é um grave problema, que acontece com mais frequência do que podemos imaginar. Em muitos casos, as vitimas sofrem em silêncio, pois a questão ainda é considerada um tabu e não é tratada pela sociedade com a devida atenção.

 

Para defender uma infância livre do abuso e da exploração sexual, a Childhood Brasil* realiza ações para ajudar crianças vítimas desse tipo de abuso, preservando os direitos das vitimas a partir do desenvolvimento de programas e do apoio a projetos que garantam sua integridade física e emocional. Para intensificar essa ação, lançou a campanha Voluntários Digitais - Por uma infância livre*, exclusivamente na internet. O objetivo é criar uma rede de voluntários virtuais que espalhem as mensagens da ONG. Dessa maneira, o silêncio tão comum em torno da violência sexual será quebrado e mais gente poderá se engajar nessa luta.

 

Para aderir à campanha e se tornar um voluntário digital, basta se cadastrar no aplicativo da Childhood Brasil e escolher a rede social na qual deseja divulgar as mensagens da campanha: Twitter ou Facebook. Feita essa escolha, você recebe um post semanal sobre a causa na sua linha do tempo. São notícias que mostram o que está sendo feito para mudar os dados da violência sexual contra crianças e como é possível reverter essa situação.

 

A partir daí, as mensagens serão enviadas automaticamente para a sua linha do tempo, assim, a campanha alcançará também todos os seus amigos. Dessa forma, mais pessoas tomam conhecimento da campanha e da realidade dessa situação no país, podendo multiplicar sua ação.

 

Para saber mais informações e se candidatar a voluntário digital, pesquise a página da campanha no Facebook.

 

*Childhood Brasil
*Voluntários digitais - por uma infância livre

comments powered by Disqus