Notícias
clima

Aquecimento global ameaça maior espécie de pinguim do mundo

Vanessa Barbosa - EXAME.com - 01/07/2014

[img1]

[box-leia]Novo estudo estima que, até 2100, pelo menos dois terços das colônias de pinguins-imperadores terá drasticamente diminuído pela metade, se as temperaturas subirem à taxa prevista pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC).

A perda de gelo marinho reduz a oferta de krill, minúsculos crustáceos parecidos com camarões que povoam o Oceano Antártico e são a principal fonte de alimento dos pinguins-imperadores. Os krill jovens se alimentam de algas que vivem no gelo do mar. Sem o gelo, não há algas e sem algas não há krill.

Conduzido por Stephanie Jenouvrier, biólogo do Instituto Oceanográfico Woods Hole (WHOI), o estudo usa dados demográficos dos pinguins da geleira de L'Astrolabe (Terra Adélie), colônia na Antártica que virou tema do documentário A Marcha dos Pinguins (assista ao vídeo abaixo).

O estudo é o primeiro a projetar a perspectiva de longo prazo para os maiores pinguins do mundo, visando preencher uma lacuna na compreensão das alterações climáticas e da vida selvagem em uma das partes mais remotas do planeta.

Segundo a pesquisa, publicada na revista científica Nature, a população mundial de pinguins-imperadores deve reduzir em, pelo menos, 19% até o final do século.

Em entrevista ao jornal britânico The Telegraph, o cientista propõe que a ave receba a classificação de espécie em perigo devido às mudanças climáticas e que áreas de proteção marinha sejam criadas para conservar a espécie. "Ele pode agir como um exemplo emblemático de um novo paradigma para a conservação de espécies ameaçadas pelas alterações climáticas", diz.

O pinguim-imperador (Aptenodytes forsteri) é a maior ave pertencente à família Spheniscidae. Os adultos podem atingir 1,22 m de altura e pesar até 37 kg. Eles vivem em média 20 anos e mantém relações de monogamia em série, só tendo um parceiro em cada ano.

Atualmente, o pinguim-imperador está sob consideração para inclusão na Lei de Espécies Ameaçadas nos Estados Unidos. Em 2012, o estado das aves foi alterado de "menor preocupação" para "quase ameaçada" pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN). Sua espécie é estimada em cerca de 600 mil aves.

Tags: