Notícias
degradação florestal

Amazônia Legal: dados oficiais mostram que desmatamento caiu

Redação - Veja.com - 27/11/2014

[img1][box-leia]O desmatamento caiu 18% na Amazônia Legal entre agosto de 2013 e julho de 2014 na comparação com o mesmo período no ano anterior, apontam dados divulgados nesta quarta-feira (26) pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). O resultado do mapeamento de 2014 apresentou taxa de 4.848 quilômetros quadrados desmatados, comparados a 5.891 quilômetros quadrados do período anterior.

Os números são do Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal (Prodes), sistema do Inpe que computa como desmatamento as áreas maiores que 6,25 hectares onde ocorreu remoção completa da cobertura florestal - o chamado corte raso. A taxa de desmatamento, segundo o governo, foi obtida após o mapeamento de 89 imagens de satélite.

Os dados do Prodes contradizem a estimativa divulgada em setembro pelo Inpe de que o desmatamento havia crescido 9,8% na Amazônia no mesmo período, entre agosto de 2013 e julho de 2014. Essa informação, porém, veio do sistema Deter (Detecção de Desmatamento em Tempo Real), também utilizado pelo Inpe, mas com uma função diferente do Prodes por ser menos preciso em suas medições.

"O Deter tem uma resolução espacial muito mais grosseira, não mede o total de área desmatada, apenas dá um alerta. Por isso seus resultados saem antes, ele exige menor capacidade de processamento", explica Marco Lentini, engenheiro florestal e coordenador do Programa Amazônia do WWF-Brasil. Os dados do Prodes são considerados os oficiais neste assunto, enquanto o Deter ajuda a tomar decisões rápidas de controle de desmatamento.

Este último sistema também costuma apontar tendências. E se considerados os dados dos meses imediatamente seguintes ao período computado pelo governo, as perspectivas não são otimistas. Segundo reportagem do jornal Folha de S. Paulo, o Deter aponta aumento de 122% no desmatamento na Amazônia no intervalo entre agosto e setembro deste ano, comparado com o mesmo período do ano passado.

Dados do sistema independente do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) também confirmam a expectativa ruim. Comparando os meses de setembro e outubro deste ano com os mesmos meses de 2013, os resultados encontrados são alarmantes: o desmatamento cresceu 290% e 467%, respectivamente. "A tendência para o ano que vem vai começar a ser analisada agora, mas parece haver um aumento grande de 2014 em relação a 2013", diz o engenheiro Marco Lentini.

REGENERAÇÃO
O Inpe divulgou também que mais de 172.000 quilômetros quadrados de área desmatada na Amazônia Legal estão em processo de regeneração. Os dados fazem parte do TerraClass 2012, levantamento feito pelo Instituto e pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). Para o TerraClass 2012 foram mapeados 751 quilômetros quadrados, o total de desmatamento monitorado desde 1988, o que representa 18,5% da área da Amazônia.

A ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, ressaltou que, desse total, 113 mil quilômetros quadrados se mantiveram em regeneração no período de 2008 a 2012. "Isso significa que temos mais floresta em regeneração do que está sendo retirado", disse ela, explicando que no mesmo período foram desmatados cerca de 44,2 mil quilômetros quadrados na Amazônia Legal, segundo dados do Prodes.

A avaliação divulgada nesta quarta pelo Inpe representa a segunda menor taxa de desmatamento na Amazônia desde que o instituto começou a fazer a medição, em 1988, com o Prodes. A menor taxa foi registrada em 2012, quando foram desmatados 4.571 quilômetros quadrados. Os estados que mais desmataram no último período foram o Pará, com 1.829 quilômetros quadrados; o Mato Grosso, 1.048 quilômetros quadrados; e Rondônia, com 668 quilômetros quadrados. Entre 2013 e 2014, o Acre desmatou 312 quilômetros quadrados; Amazonas, 464 quilômetros quadrados; Maranhão, 246 quilômetros quadrados; Roraima, 233 quilômetros quadrados; e Tocantins, 48 quilômetros quadrados.

comments powered by Disqus
Tags: