Notícias
falta de água

Alckmin confirma multa por aumento no consumo de água

Redação - Veja.com - 22/04/2014

[img1]

[box-leia]Atualizada por Planeta Sustentável, em 22/04/2014, às 14h

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), anunciou nesta segunda-feira (21) que vai utilizar um terceiro manancial que abastece a Grande São Paulo para compensar a crise hídrica do Sistema Cantareira e confirmou que vai cobrar multa ainda neste semestre de quem aumentar o consumo de água.

Segundo Alckmin, o Sistema Rio Grande, que capta água de um braço da Represa Billings, na região do ABC, deverá ser usado para ajudar a abastecer bairros da capital que são atendidos pelo Cantareira. Hoje, o remanejamento para compensar a seca da Cantareira é feito com água dos sistemas Alto Tietê e Guarapiranga para cerca de 1,6 milhão de domicílios.

"Vai entrar também daqui a alguns meses o Rio Grande. Então, vamos substituindo várias áreas por outros sistemas", disse Alckmin em Franca, interior paulista. O Rio Grande abastece cerca de 1,6 milhão de pessoas nas cidades de Diadema, Santo André e São Bernardo. O sistema hoje está com 94,6% da capacidade, bem acima do Cantareira, que registra nesta terça-feira (22) 11,9%, novo recorde negativo.

MULTA
Segundo o governador, a partir de maio, os moradores da região metropolitana abastecidos pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) deverão ser multados se aumentarem o consumo de água. Para Alckmin, a medida se soma ao desconto de 30% para quem economizar ao menos 20%. "Então vamos estabelecer o ônus para quem gastar mais água", disse o tucano.

Mesmo com as novas medidas previstas, Alckmin voltou a afirmar que o racionamento de água não está descartado. "Se for necessário será feito", afirmou. Na semana passada, o comitê anticrise que monitora o Cantareira recomendou que a Sabesp se planeje para captar menos água do manancial que abastece 47% da Grande São Paulo. O governador falou que tem tomado medidas para evitar o uso do chamado "volume morto" do Cantareira, cerca de 400 bilhões de litros represados abaixo do nível das comportas.

Alckmin disse ainda que quando o Cantareira chegar a 6% ele entra na reserva técnica. "Só pretendemos utilizar 190 dos 400 milhões de metros cúbicos de água". Ele justificou a medida sob o argumento de que o Cantareira está vivendo a maior estiagem dos últimos 100 anos. "É para esses momentos de estresse hídrico que você tem a reserva técnica", afirmou o tucano.

(Com Estadão Conteúdo)

Tags: