BLOGS |Planeta Urgente

Ambiente, e não dinheiro, motiva economia de energia José Eduardo Mendonça - 14/01/2015 às 14:48

medium_2278034324

Poluição é arma mais forte de persuasão

De acordo com pesquisadores da Universidade da Califórnia, a maneira menos eficaz de levar uma família de Los Angeles a reduzir o consumo de energia é dizer a ela quanto vai economizar – em grande parte porque o valor não é tão alto.

Em vez disso, segundo eles, dizer aos consumidores de energia quanto geraram de poluição com seu uso de energia é uma forma muito mais persuasiva, ainda mais se ouvirem os males que ela pode causar, como asma e câncer.

Em trabalhado publicado na segunda-feira, 12/01, no Proceedings of the National Academy of Sciences, economistas ambientais escreveram que, ao ouvirem sobre danos ambientais, as pessoas cortaram em média 8% de seu consumo de eletricidade. E até 19% quando tinham crianças em casa.

Mas quando lhe disseram quanto economizariam usando tanta energia quanto seu vizinho mais eficiente – de U$ 4 a U$ 6 por mês -, a redução foi desprezível. Os autores notaram que as economias de dinheiro equivaliam a um combo de fast food ou alguns litros de leite.

Os participantes do estudo foram divididos em dois grupos, e o consumo de energia deles acompanhado por seis meses. Todos foram colocados em apartamentos com a mesma área e os mesmos aparelhos domésticos. Ambos receberam por e-mail mensagens regulares sobre o uso de eletricidade, mas um grupo foi informado que estava pagando mais que seus vizinhos, e o segundo grupo soube quantos quilos de poluição criava a mais que o primeiro grupo.

“Nós não enxergamos uma chaminé quanto olhamos em nosso computador ou geladeira”, disse Magali Delmas, professora de administração da universidade. “O impacto ambiental e o de saúde são invisíveis para a maioria de nós”, afirmou, de acordo com o Medical Daily.

Foto: World Bank Photo Collection via photopin cc

ver este postcomente

A volta dos trens movidos a bateria José Eduardo Mendonça - 13/01/2015 às 12:43

medium_6310840328

Empresa de transporte ferroviário testa alternativa limpa

Um novo trem movido a bateria irá apanhar seus passageiros esta semana, sinalizando que os dias de barulho e poluição das locomotivas a diesel podem virar coisa do passado.

Depois do teste com êxito de um protótipo em trilhos em Derby e Lancashire, na Inglaterra, o trem irá prover um serviço diário por cinco semanas entre as estações Harwich International e Manningtree, no condado de Essex.

É o primeiro de seu tipo em trilhos britânicos em mais de 50 anos. A National Rail disse que irá contribuir com a meta da companhia de redução de emissões, melhorar a sustentabilidade e reduzir seu custo operacional em 20% nos próximos cinco anos.

“Estamos sempre buscando meios de reduzir nossos custos e tornar a operação mais verde ao mesmo tempo”, disse hoje o diretor da empresa, James Ambrose. “Este projeto tem o potencial de contribuir de forma significativa com estas metas”.

Locomotivas a bateria existem há cerca de um século, embora raramente tenham sido usadas para o transporte de passageiros. Elas foram usadas, por exemplo, por fábricas de munição na Primeira Guerra para evitar o risco de explosão de fagulhas em locomotivas a vapor. Existe, hoje, uma frota delas no metrô de Londres, usadas em serviços de manutenção.

“Depois de meses de trabalho de engenharia e testes, o trem está funcionando do modo que esperávamos. Neste período de cinco semanas, coletaremos dados sobre como eles poderão operar o serviço de passageiros – e muitos deles deles vão perceber como a locomotiva é silenciosa”, disse Ambrose, de acordo com o ClickGreen.

Foto: Gene Hunt via photopin cc

ver este postcomente

Quanto o mundo queima de lixo por ano sem controle? José Eduardo Mendonça - 12/01/2015 às 17:23

medium_2646992882

Cerca de 1 bilhão de toneladas, diz estudo

Até 1 bilhão de toneladas métricas de lixo, incluindo plásticos e componentes eletrônicos, são queimados por ano no mundo sem regulamentação, de acordo com cientistas da atmosfera que avaliaram o problema recentemente.

A quantidade real ultrapassa em muito as estimativas de governos, disseram os pesquisadores, acrescentando que a prática expõe pessoas a fumaça tóxica e aumenta a apreensão com os efeitos da poluição, especialmente em países em desenvolvimento.

A tonelagem estimada pelo estudo representa cerca de 41% do fluxo global de lixo. Foram levantados dados país por país, de poluentes como matéria particulada, monóxido de carbono e mercúrios emitidos pela queima. E feitas também feitas estimativas de emissões de dióxido de carbono, o mais comum gás de efeito estufa produzido por atividades humanas.

Diferentemente dos incineradores comerciais, a emissão da queima de lixo a céu aberto não é levantadas muitas vezes por agências ambientais e é deixada fora dos cálculos da quantidade de poluição de muitos países.

“A poluição do ar em grande parte do globo está muito subestimada, porque ninguém acompanha a queima sem controle”, disse a cientistas Christine Widinmyer, do Centro Nacional de Pesquisa Atmosférica dos EUA. “Isto deveria receber maior atenção”.

Ela e sua equipe chegaram aos números comparando suas estimativas a dados oficiais de descarte de lixo per capita em cada país, descobrindo as maiores emissões em países como China, Índia, Brasil, México, Paquistão e Turquia.

“Este estudo é um primeiro passo para colocar algum limite a esta magnitude. O próximo passo é verificar o que acontece com estes poluentes – como são transportados pela atmosfera e quais populações são mais afetadas”, afirmou Wiedinmyer, de acordo com a Time.

Foto: computerwhiz417 via photopin cc

ver este postcomente

Planeta Urgente

JOSÉ EDUARDO MENDONÇA

produziu uma série de reportagens pioneiras para o Jornal da Tarde sobre fontes alternativas de energia e, logo depois, indo morar em Londres, tomou contato com o movimento do que se chamava à época conservacionismo - o que se tornou mais tarde ambientalismo. Neste blog, rastreia ações, políticas e o multifacetado pensamento sobre a questão socioambiental pelo mundo. As opiniões expressas nos veículos citados não são de responsabilidade do Planeta Sustentável, embora a divergência entre elas contribua com a dinâmica do debate.

Clique e faça o download

Revista do clima Material de etiqueta

Posts anteriores

Receba as noticías mais recentes

assine RSS Planeta Urgente

Arquivos de posts