BLOGS |Gaiatos e Gaianos

Vida de cão sem ração Giuliana Capello - 28/01/2014 às 08:56

prato bom pra cachorro

Faz mais ou menos uns quatro meses que não entro em um pet shop para comprar ração para as minhas cachorras. Os motivos que me levaram a essa decisão e os efeitos que ela já provocou aqui em casa é exatamente o que gostaria de compartilhar hoje com você.

Desde que adotei a Sofia, onze anos atrás, percebi que ela não gostava de ração. Cheguei a testar várias marcas e nada. Nenhum sinal de aprovação do cardápio. Mas minha rotina, ainda morando em São Paulo, era bem atribulada e a ração era o que havia de mais prático ou possível para mim naquele período. Para compensar a carinha de insatisfação e disfarçar o sabor da ração, eu acrescentava sempre um caldinho de carne ou uns pedacinhos de frango no pratinho – que eram devorados rapidamente, entre uma e outra bolinha de comida industrializada.

Durante todo esse tempo, a Sofia teve refeições sem graça, nas quais não demonstrava ter muito apetite, alegria ou entusiasmo para comer. No caminho, consultei alguns veterinários, que foram categóricos em dizer que nada substitui uma boa ração, que os fabricantes é que sabem equilibrar a dose certa de nutrientes, que as pesquisas evoluíram muito, e tal e tal. Parênteses: se fosse apenas por esses motivos, nós humanos já teríamos aderido às pílulas com todos os nutrientes de que precisamos diariamente. Comida é muito mais que isso, não?

Bom, em 2012, adotei a Naná, a segunda vira-lata da casa – esta, sim, cheia de apetite. Mas não para ração… Da mesma forma que a Sofia, a Naná parecia não fazer questão da comida. Apenas quando o passeio era mais longo do que o habitual ou a refeição atrasava um pouco, por causa de alguma demora minha em voltar para casa, é que elas davam conta de comer tudo – e, mesmo assim, era necessário misturar algo mais saboroso ao prato: um restinho de caldo de legumes, umas tirinhas de carne ou algo do tipo.

Com a minha mudança de São Paulo para a ecovila, alguns hábitos puderam ser revistos. E eu estava disposta a isso. Nos últimos anos, comprar ração com aquele “T” de transgênico era um imenso desgosto para mim, que estava levando uma dieta cada vez mais baseada em alimentos orgânicos. O que não quero para mim, não quero também para minhas cachorras. Se considero que não é saudável (até que realmente provem o contrário), prefiro não oferecer a ninguém, nem aos pets.

Pois bem. Li alguns artigos de veterinários mais alternativos, que defendem uma alimentação natural para cães e gatos (como sugestão, vale a pena dar uma olhadinha no site Cachorro Verde). Fiquei pensando sobre como deve ser chato ter um faro absolutamente poderoso e comer sempre a mesma coisa, todos os dias. Lembrei-me do quanto as refeições são parte importante do nosso cotidiano cheio de tarefas e compromissos. Agora, imagine só para um cão, que tem uma rotina, em geral, mais calma, menos apressada. Cada atividade é vivida intensamente, no presente, no aqui e agora. Como deve ser chato comer sempre a mesma coisa, com o mesmo cheiro, a mesma textura, o mesmo sabor!

Resolvi arriscar. Decidi fazer um teste durante algum tempo, monitorando o comportamento das meninas. E foi o que fiz. O primeiro cardápio teve arroz integral com cenoura, abobrinha e salsinha, além de carne desfiada com caldinho. Preciso dizer que elas amaram? Foi uma alegria! Vi os olhinhos delas brilhando, rabo balançando intensamente, uma agitação gostosa de quem sente prazer com todos os sentidos.

Passei a cozinhar paneladas de arroz com legumes e carne, variando um pouco nos ingredientes, para não enjoar e evitar a falta de algum nutriente importante. Às vezes, pico umas folhas de espinafre ou couve no arroz a ser preparado, mudo um pouquinho as opções de legumes e ervas para temperar (já usei berinjela, abóbora, serralha, folhas de cenoura etc.).

A hora da refeição – pela manhã e à noite – virou ponto alto do dia, mais até do que os passeios pela ecovila. No início, tive receio de alguma mudança no peso, mas isso não aconteceu. Na verdade, algumas pessoas até disseram que a Naná (que andava meio rechonchuda) tinha emagrecido ou desinchado. Fato é que ela ficou com cara e comportamento de cão ainda mais saudável.

O pelo das duas melhorou, ficou mais brilhante, viçoso. O humor e a disposição, então, nem se fala. Ambas estão saltitantes, parecem sorrir à toa. Nunca mais tive que jogar comida no lixo (isso acontecia com certa frequência, de sobrar um pouquinho de ração no prato e acabar na composteira). A Sofia, curiosamente, passou a adorar frutas. Come banana, mamão, maçã, melancia, melão e até laranja. O apetite dela parece ter sido despertado após um longo e tenebroso inverno…

Duas semanas atrás, levei a mais velha à veterinária. Já estava esperando que ela fizesse críticas à minha decisão de trocar a ração por comida. Mas, surpreendentemente, ela até elogiou a condição geral da Sofia, disse que eu podia ficar tranquila, que estava tudo certo. Ficou apenas de recomendar ou sugerir um suplemento vitamínico, apenas para garantir que não falte nada essencial (posso compartilhar mais sobre isso, mais adiante, quando eu tiver novidades).

Transgênico aqui em casa, nunca mais. Cachorro comendo sem prazer também não existe mais. Andei pensando até em lançar uma campanha engraçada: slow food para pets… Sugestão da Naná e da Sofia, que agora viraram ótimas no “garfo”…

Você pode me questionar de diversas maneiras: Mas não dá muito trabalho? Não exige muito tempo na cozinha? Se nós comemos comida de minuto, feita no micro-ondas, como é que eu vou ter tempo de preparar refeições caninas? Pois isso tudo é uma questão de priorizar aquilo que é realmente importante para nós. Tem gente que come comida enlatada ou fast food e depois fica horas na frente da tv, moscando.

Prefiro investir tempo em tarefas que nos deixam mais saudáveis, mais dispostos, mais vivos. Hoje em dia, preparo comida para as cachorras aos domingos e quintas-feiras. Divido tudo em potinhos e coloco na geladeira e no congelador. Assim, durante a semana, fica mais fácil administrar as refeições delas, não passo mais tempo na cozinha e sinto, de verdade, o quanto elas me agradecem por esse cuidado. Se você é apaixonado pelo seu pet, que tal experimentar?

Foto: Deu para sentir a satisfação da hora de comer? É assim todo dia. Quando a Sofia e a Naná percebem que estou preparando a refeição delas, correm para pegar o prato e aguardar por perto, na maior alegria…

ver este postcomente
Comentários

28/01/2014 às 11:12 Alejandra - diz:

Oi Giuliana, parabéns! Eu sempre tive a mesma impressão. Pois é, minha pergunta é sobre as fezes, tiveram alguma alteração? Ficaram mais mole? Obrigada

28/01/2014 às 12:32 Keite Amaral - diz:

Olá, como você decide trocar a ração por comia caseira, tenho uma coocker de 14 anos que teve problema na coluna e cancêr de mama no ano passado e fazem 6 meses que ela come comida caseira, ela sempre gostou, agora como as suas também lambe o prato… Só precisa ter cuidado com os temperos que não podem como a cebola e o alho, a minha sachinha ta cada dia melhor…..

28/01/2014 às 13:11 Samara - diz:

Adorei, vou começar a fazer em casa tb!!!

28/01/2014 às 13:31 Jurivaldo Pereira dos Santos - diz:

Muito boa a matéria. Tbém moro num síto distante de SP 60 km, em Jarinu com a familia (esposa, filhos vez ou outra, 1 gato e 4 cães). Tenho habito de variar na comida deles, fazendo paneladas de arroz, carne, alguma verdura e até casca de batatas. Qdo deixo eles muito tempo só com racão, realmente dá pra sentir o quanto é ruim. Cheiram, cheiram e acabam comendo por estar famintos.

Parabéns pela matéria.

Juri

28/01/2014 às 13:34 Cintia - diz:

O meu cão tem 11 anos e só come alimentação natural com a carne crua. Os resultados positivos são imensos. Muitas pessoas qdo o conhecem, me perguntam se ele é filhote e qdo digo q tem 11 anos, não acreditam. Vale muito a pena. Ração nunca mais.

28/01/2014 às 13:51 cinthia - diz:

Gostaria de saber se o cardápio é sempre arroz integral e legumes.

28/01/2014 às 14:04 Janete - diz:

Vou tentar com os meus dois viras. :)

28/01/2014 às 14:36 Marilia Oliveir - diz:

Parabéns pela iniciativa!!! Achei fantástico desmistificar essa cultura contemporânea da ração. Sou a favor de oferecer algo mais saudável e prazeroso aos nossos amiguinhos! Só lembrando de não utilizar algum condimento que possa lhes fazer mal. Vamos compartilhar essa ideia!

28/01/2014 às 14:55 Vera Guimaraes - diz:

Querida Giuliana,

Eu também passei a fazer a comida do meu Schnauzer. Arroz integral, cenoura e peito de frango. Não preciso dizer que ele adorou. Não é a primeira vez que faço essa experiência. Só que agora vou definitivamente passar a fazer a comidinha dele.
Uso um “rice maker”. É uma tranquilidade!

28/01/2014 às 15:06 Miriam G Mendes - Rio de Janeiro - diz:

Muito bom o artigo!
Foi bastante útil para mim. Tenho um Labrador, já idoso e com sobrepeso e, claro, mesmo sem poder decidir a questão da causa do problema (displasia coxofemoral) – “Tostines vende mais porque é fresquinho ou é fresquinho porque vende mais?” o que busco é reduzir seu peso, com saúde. Ele precisa caminhar, mas o sobrepeso…pesa, nas articulações!
Estou para consultar uma nutricionista (veterinária) para preparar uma dieta especial. Seu artigo comprova que estou no caminho certo: acabar com rações caríssimas, específicas, e que não atraem o Bobby, nem resolvem a questão do peso, nem das articulações.
Espero que, como você, logo eu descobra uma fonte alegria pro meu Bobby…ele precisa!
Grata e Parabéns pelos belos animais (fruto de seu amor, dedicação e ousadia!)

28/01/2014 às 16:49 maria lucia barros bressan - diz:

muito bom … eu o que sempre sonhei fazer

28/01/2014 às 16:56 Giuliana Capello - diz:

Pessoal, fico muito feliz com o interesse de vocês no tema! Queria só lembrar que, dependendo da condição de saúde do animal, é fundamental contar com o acompanhamento de um profissional. Sobre alterações na consistência das fezes (pergunta da Alejandra), reparei que, sim, ficaram um pouco mais moles, mas não chega a caracterizar um problema… Na verdade, acho até que pode ter a ver também com os dias quentes que temos tido por aqui…
A Cinthia perguntou sobre o cardápio… Cinthia, a base é arroz integral e legumes, mas procuro variar nos legumes e no tipo de carne (prefiro dar músculo, que tem menos gordura, e frango caipira comprado de sítios vizinhos). Espero ter colaborado…
Obrigada a todos por compartilharem suas experiências!
Um abraço!

28/01/2014 às 17:22 Edna Saviano - diz:

Meus cachorros comem comida natural há quase 4 meses e adoram. Mas sigo a dieta balanceada preparada para cada um deles pela Dra Sylvia Angelico ( criadora do site Cachorro Verde). Super recomendo.
Abs
Edna

28/01/2014 às 19:07 samoel - diz:

minha pergunta é a seguinte
o arroz integral é o mesmo usado por nois ou é aquele que é vendido especifico para animais?

28/01/2014 às 20:57 Valeria - diz:

Olá,boa noite e parabéns!!!!Gostaria de mais detalhes de como preparar o arroz integral e os legumes e carnes…..Sem temperos???Quero MTO tentar essa alimentação pras minhas filhas,mas estou perdida Qto a quantidade e preparação.PODE ME AJUDAR COM UM CARDÁPIO E MODO DE PREPARO????
Obrigado desde já!!
Valeria.

29/01/2014 às 00:13 Taíse Figueira Motta - diz:

parabéns, Giu. Com a sua experiência, xc estimula a gente a experimentar …

29/01/2014 às 15:37 Julia Caggiano de Mello - diz:

Olá Giuliana
Parabéns adorei a matéria!
Só gostaria de saber uma coisa
Serve para gatos também?
Pois tenho duas gatas uma de 2 anos e outra de 1 ano.
Elas comem a ração por comer. A Mia que tem dois anos não curte ração e também enjoo daquela ração com molhinho.
Será que minhas gatas também podem ter uma comidinha com sabor e nutrientes?
Obrigada
Julia

29/01/2014 às 16:29 Renato - diz:

Parabéns, concordo integralmente com a matéria. Também ofereço alimentos naturais e integrais para os meus dois amigos. Eles agradecem. E eu também, pois desfrutamos de muita saúde e diversão. Verdadeiro tempo de qualidade.

29/01/2014 às 21:51 walderez sancinetti ribeiro - diz:

Giuliana. Eu nunca tinha tido um animal qualquer em casa e, de uma hora para outra, meu filho foi transferido de Rio das Ostras para Santos, sendo que nesta cidade não conseguiu ter uma casa com quintal como ele tinha lá, e a cachorrinha dele, veio para mim. Tenho apenas 7 meses de experiência com a cachorrinha e fiz tudo isso que vc narra. Ela não come ração, de jeito nenhum. Ela está bonita, alegre, parece feliz. Tb não penso em dar mais ração com aquele triângulo amarelo:T. E tb está comendo frutas.
Aqui, ainda os veterinários insistem na ração, mas eu dou comida com legumes variados e carnes variadas. Foi bom ler o que vc publicou. Obrigada.

29/01/2014 às 21:57 eli - diz:

excelente matéria! também vou experimentar! já dou a ração mas sempre com mistura de fígado picadinho ou frango e nem sempre elas comem… a mistura sim…rssssssssss… todos os dias dou mamão (que elas amam) e depois da ração dou cenoura meio cozida, q elas adoram também! outro legume q elas amam é abobrinha, principalmente se cozinhar com carne moída! parabéns e obrigada por divulgar esse tipo de alimentação saudável para nossos filhos peludos!

30/01/2014 às 07:53 Giuliana Capello - diz:

Oi, Julia, acredito que sim, suas gatinhas também poderiam entrar no cardápio caseiro. Mas, para você ficar mais tranquila, seria interessante que você consultasse um veterinário especializado nesse tipo de alimentação. Uma pesquisa rápida na internet sobre o assunto vai render boas ideias e referências, tenho certeza. Boa sorte! Suas gatinhas vão adorar a novidade. Um abraço pra você.

31/01/2014 às 08:47 Lylian - diz:

Olá Giuliana,
Minha cachorra adora comida caseira também, além de frutas, legumes e tudo que existe! Mas uma preocupação é grande: os dentes. Minha cachorrinha não deixa que eu escove seus dentes e portanto com certeza ficará mais propensa ao tártaro e cáries.O que vc aconselha?
Beijos.

31/01/2014 às 17:45 Andrea - diz:

Olá Giuliana, acho louvável a mudança que fez. Vou tentar achar um meio termo que seja bom para as meninas e que eu alcance. Sou cega, renal crônica e tenho a saúde frágil. Por isso não posso sequer ter muito contato com elas. Quase me acabei quando tive de tirá-las do meu quarto, por conta da diálise. São minhas amigas e companheiras fiéis. Onde vou elas vão atrás. A noite é o sacrifício, pois daí elas tem de ficar fora do quarto. É uma Cocker de 12 anos e uma pastor alemão de 3 anos. Vou tentar pensar em algo alternativo para elas e para mim, algo que dê prazer a elas e satisfação a mim por saber que estão felizes e saudáveis.Gostei muito da matéria, me fez repensar os meus conceitos. E, como tudo na vida, vou adaptar à realidade da minha. Grande abraço.

01/02/2014 às 15:41 karina - diz:

Eu tenho 2 cães, a mais velha andou uma boa temporada sem querer comerr ração, tentei de tudo porque a veterinaria dizia para dae ração de acordo com a idade dela e tal, tentei colocar água morna, caldinhos, junto com as papinhas e nada, ela estava emagrecendo cada vez mais, achei q fosse morrer, dei até soro, tive a idéia de dar um pouco de comida, conclusao ela só quer comida, qdo pego o pratinho dela fica louca. So dou comida mesmo. Com arroz integral, pois aqui dm casa só consumimos este, coloco caldo de feijão, legumes bem picados e frango ou carne. Ela come tudo. O outro cão ainda não dei.

03/02/2014 às 11:20 César Eduardo Nyari - diz:

Parabéns, com certeza elas estão mais felizes e podemos ver que também estão lindas.

05/05/2014 às 22:28 sonia malafronte d e andrea ghrer - diz:

tewnho uma cocker,beagle,esta com um tumor no figado,e para nao ficar com flautulencias,o cabohidrato nao faz parte de sua dieta.pois e preciso que seu intestino funcione diariamente.eu ja tinha passado par a uma alimentacao mista,mas assim que soubemos do diagnostico, passamos totalmente para alimentacao natural. nao masi com cenouras e beterrabas,porcausa dos acucares,que s e transformam em carbohidratos.sua dieta,e musculo moido ,cozido com a bobrinhas verdes.folhas de brocules, ora variamos para vagem,pedacos de couve,flor.que embora pareca ,produzir gases,sao alimentos indicados para controle de tumores. a sardinha entra com tudo nesta dieta,pelo grande valor dos omegas que possui,tambem e poderoso no contrloe de tumores.posso dizer,que seus pelos estao macios e brilhantes,focinho liso e saudavel,otima disposicao para passeios,mais alegre tambem,apesar d e seus 12 anos,parece estar com otima qualidade de vida.penso .em sua papa ainda adiciono um dente de alho e uma espremidinha d e limao.sigo as recomendacoes do veterinario,que tambem acompanha com medicamentos manipulados,pois e homeopata e assim a mantemos com qualidade de vida.assim como d everiamos pensar em mudar nossos conceitos de nutricao. e tenho certeza que reduziremos este tumor,ja que pela idade avancada optei pela nao cirurgia,.tudoe sta dando certo,e para o tartaro,ser removido,usamos osso d e peito de boi. esquecid e um detalhe ,saboroso e importante,como ela tinha dificulade no funcionamneto do intestino,alem dos medicamentos ainda acrescento em dias alternados,uma colher de azeite.mas na hora de servir. um abraco e recomendo dieta natural,e um contrloe temporario no seu vet,atraves de hemograma completo.

05/05/2014 às 23:12 Shirley V. Barreto - diz:

Adorei a matéria. Só tenho uma dúvida: o sal. Ele pode ser usado? Obrigada .Bjs.

24/05/2014 às 00:22 IRACEMA SANTOS DE MELO - diz:

OLHA ESSA COMIDA QUE VOCÊ AMIGA ESTÁ DANDO A SEUS PETS ,EU SEMPRE DEI AOS MEUS ,E QUANDO AS PESSOAS OLHAM PARA MEUS PETS ME PERGUNTAM O QUE DOU PARA ELES COMEREM OS MEUS AMAM COMER FRUTAS ,E ELES TEM MUITA SAÚDE EU TAMBÉM SOFRIA MUITO COM OS ALIMENTOS COM RAÇÃO ,FIZ ISSO E ATE HOJE ELES ESTÃO BEM DE SAÚDE ,PARABÉNS VOCÊ ACERTOU ,,COMO EU TAMBÉM ACERTEI

06/07/2014 às 22:08 shirley - diz:

´já tive até oito cães (todos da rua) de uma vez e sempre cozinhei para todos, mesmo trabalhando fora, eu preparava o jantar do marido e da filha e o almoço do dia seguinte e 3 x por semana tbm cozinhava para o pets. Hoje eu tenho 3 cães, eles tbm comem alimentação natural, ou seja, legumes bem triturados, folhas, talos, arroz, carne vermelha, frango, miúdos de frango, frutas (cozidas junto), enfim, eles adoram e estão bem saudáveis. Meus animais vivem de 13 a 15anos, morrem de velhice. É só pensar, como os cães e gatos eram alimentados antes da industria da ração? Abçs e parabéns pela iniciativa.

20/09/2014 às 20:15 Andréia - diz:

Adorei…estou dando para os meus pets Scooby e Strike(Shih Tzu) e eles estão ótimos, o Scooby tinha enjôo e vomitava com ração, testei várias marcas, então conheci o site cachorroverde e resolvi experimentar foi perfeito…não troco alimentação natural por nenhuma ração…Abraços..

24/10/2014 às 07:31 fabiane - diz:

A uma semana parti pra AN (alimentação natural) e meus filhos estão amando, os dois estamos gordinhos depois da castração e de meses de cortisona por causa de uma hérnia de disco. Meu Obina e meu Zé estão se adaptando muito bem. Levei a nutricionista e foi ela que passou a nova alimentação “feliz” dos meus Patudos.

03/11/2014 às 11:53 Já pensou em cozinhar para o seu animal de estimação? | Green Savers - diz:

[…] e permacultura, sobretudo – e autora do livro Meio Ambiente  Ecovilas. Esta semana, a jornalista escreveu um texto que tem tudo para ser polémico: ela contou, no Planeta Sustentável, como passou a cozinhar para […]

05/11/2014 às 18:30 Aparecida de Fátima Soares Coelho - diz:

Olá! Qual suplemento sua vet recomendou?

07/01/2015 às 16:32 Andressa - diz:

Parabens pela atitude! E muito lindas as suas meninas!!!
Estou pensando em mudar a alimentação dos meus pois tenho 3 velhinhos já e mal e mal tem os dentes e ração fica dificil pra eles!

11/03/2015 às 16:17 Maria Helena - diz:

Olá, tenho uma cadelinha de nome Minnie que também foi adotada por mim ela sempre foi muito doentinha já a adotei assim, também a levava a um veterinário que falava o mesmo de ração que era o melhor alimento. Então enquanto eu acreditei nisso e dava somente ração ela vivia mais doente com gases parecia inchada. Após pesquisar e pensar melhor resolvi cozinhar para ela já a um ano. Resultado ela melhorou não tem mais gases, tem fezes excelente, duras e sem cheiro forte(menos do que quando comia ração). Ração aqui em casa somente como quebra galho.

16/03/2015 às 16:46 rosi alonso - diz:

Amei tudo q vc disse pois a muito tempo queria tirar a raçao do meu pet.
a unica dificuldade que sinto é saber qual a quantidade de carne , vegetais de vo dar por uma alimentação
Ele é um cão grande um broder colli
Se vc puder me ajudar eu agradeço;
Fiquei sua fã

17/03/2015 às 16:46 Hilda - diz:

Um amigo nosso veterinário já tinha comentado conosco que não era muito bom só dar ração para os cachorrinhos , que o certo era sim intercalar com a comida caseira, por causa de doenças etc….. , pois minha cunhada comentou que nós nei imaginamos do que é feita as misturas da ração independente de marca , pois agora ela só faz a comida da princesa , então qdo puder faça a comida para o seu bichinho, faça ele feliz um dia ou todos os dias.ELE VAI AGRADEÇER

Deixe aqui seu comentário: Preencha os campos abaixo para comentar, solicitar ou acrescentar informações. Participe!

Enviar

Gaiatos e Gaianos

GIULIANA CAPELLO

é jornalista ambiental especializada em construções sustentáveis, guarda-parque, permacultora e autora do livro Meio Ambiente & Ecovilas (Senac São Paulo). É colaboradora das revistas Arquitetura & Construção, Casa Claudia e Bons Fluidos. Formada em design de comunidades sustentáveis, mora na Ecovila Clareando, a 100 km de São Paulo. Sua casa, construída com técnicas de bioconstrução, reflete princípios que adota em seu cotidiano: conexão com a natureza, simplicidade voluntária e consumo responsável. Aqui, conta histórias de quem deixou a cidade grande para viver no campo ao lado de amigos - e tornar a vida mais plena, criativa e sustentável.

Clique e faça o download

Revista do clima Material de etiqueta

Posts anteriores

Receba as noticías mais recentes

assine RSS Gaiatos e Gaianos

Arquivos de posts