BLOGS |Gaiatos e Gaianos

Terra fértil e sangue menstrual Giuliana Capello - 08/06/2010 às 11:45

Antigos registros indígenas dão conta de rituais feitos pelas mulheres durante o tempo da lua, ou seja, a menstruação. Elas acreditavam que o sangue menstrual trazia visões, sonhos especiais e poder de cura. De cócoras sobre a terra, as índias deixavam o sangue escorrer livremente e penetrar o solo “para nutrir a terra e garantir a manutenção da vida no planeta”. Era uma espécie de retribuição à energia vital, um jogo de equilíbrio que mantinha forte a ligação das mulheres com a terra e com Gaia – terra com “t” maiúsculo.

Já faz algum tempo, li um texto de uma líder indígena que dizia que os homens entraram em guerra na Terra quando as mulheres deixaram de jorrar seu sangue sobre a terra. Fatos históricos à parte, faz muito tempo que as mulheres não menstruam sobre a terra, sequer sentem o cheiro de seu sangue porque os absorventes industrializados trazem perfumes para disfarçar o aroma do sangue e confundir o olfato. A mulher anda tão distante de seu ciclo natural que sente nojo do próprio sangue, prefere não senti-lo, não vê-lo.

Há cinco anos, adotei o absorvente ecológico em meus “tempos da lua” – e já até escrevi sobre isso aqui no blog. A experiência começou para alimentar minha curiosidade sobre como faziam as mulheres antes dos descartáveis – e também para ver se eu seria capaz de reduzir o lixo gerado com os descartáveis (que não são nem um pouco ecológicos). Sim, porque muitas de nós sequer conseguem imaginar o tamanho do incômodo de passar pela menstruação com paninhos laváveis. Não é verdade?

Neste feriado eu estava na ecovila conversando com o Hiroshi, amigo, idealizador da comunidade e agrônomo defensor dos orgânicos. O papo girava sobre como adubar a terra com o composto da cozinha, quando resolvi contar a ele que eu adubava algumas plantas em casa com o meu sangue menstrual. Parênteses: os absorventes ecológicos, feitos de tecido de algodão, ficam de molho na água durante 24 horas, antes de serem lavados com sabão de coco. Essa água recebe o sangue com muitos nutrientes e hormônios que são excelentes fertilizantes para a terra. Pois bem. Ele adorou a história e me pediu para doar um pouco dessa solução para ele, para que possa testar em algumas plantas. Achei engraçado e confesso que, por um momento, achei íntimo demais para compartilhar. Mas, em seguida, um pensamento simples tomou conta de mim: por que não? Que mal haveria em adubar a terra?

Bom, se você chegou até aqui no texto é porque se interessou pelo assunto ou, então, ficou tão intrigada(o) e enojada(o) que não conseguiu interromper a leitura. Seja como for, que bom que você chegou até aqui! Gosto dessas coisas estranhas que parecem chacoalhar nossos costumes. Lembra-me aquela história dos macacos no laboratório, conhece essa? É mais ou menos assim: Cinco macacos foram colocados numa jaula. No centro dela havia uma escada e, sobre ela, um cacho de bananas. Quando um macaco subia a escada para pegar as bananas, os cientistas jogavam água fria nos que estavam no chão. Depois de certo tempo, quando um macaco tentava apanhar as bananas, os outros o impediam, com uma grande surra. Após algumas brigas, um dos macacos foi substituído. O novato, é claro, logo tentou chegar às bananas, mas foi reprimido a tapas pelos demais. Tempos depois, ele já não tentava alcançar as bananas. Um segundo macaco foi, então, substituído e o mesmo ocorreu: levou uma surra antes que pudesse pegar uma banana, agora com a ajuda do primeiro macaco trocado. Em poucos dias, um terceiro macaco foi substituído, e depois um quarto e, finalmente, o último dos veteranos. Agora eram cinco novos macacos que, mesmo sem nunca terem tomado um banho frio, continuavam batendo naquele que tentasse comer as bananas. Diz a história que se pudéssemos perguntar a algum deles porque o grupo batia em quem tentasse subir a escada, a resposta seria algo do tipo “não sei, mas sempre foi assim”…

Estamos em tempo de rever hábitos arraigados, executados por repetição sem crítica ou reflexão. Antes de dizer que você não faria isso, que é nojento, que é coisa do passado ou da sua avó, experimente. As surpresas só ocorrem àqueles que tentam. A mulher precisa aprender a valorizar a menstruação como uma época de renovação e cura. Menstruar é natural, bonito e pode ser muito ecológico. Acredite, a terra irá agradecer. As plantas do meu quintal, pelo menos, ficaram muito gratas…

ver este postcomente
Comentários

08/06/2010 às 13:26 Anonymous - diz:

Andiana – diz:Formidável! São visões assim que fazem a diferença… e diferença sensata! Valeu!

08/06/2010 às 18:27 Anonymous - diz:

Cecília – diz:Achei o texto muito interessante, e quem sabe daqui a pouco não tem mais mulheres experimentando essa ideia, só ñ sei se eu vou regar as plantas srsrsr.

08/06/2010 às 21:54 Anonymous - diz:

Edna Barros – diz:Muito interessante essa sugestão. Não vejo nada de nojento, pois valorizo a forma perfeita como que Deus me criou. Mas esta prática requer treinamento. Vou pensar muito no assunto. Te admiro muito pela coragem do feito, mas principalmente, pela divulgação do feito.

09/06/2010 às 13:47 Anonymous - diz:

Daniel – diz:Meio nojento…..

09/06/2010 às 14:11 Anonymous - diz:

Lívia Corazza Nogueira – diz:Olá, Giuliana! Sincronicidade é o máximo, né? Há um tempo deixei uns comentários aqui.Eu tava pra me formar em Gestão Ambiental em SP e vc me ajudou muito com seus temas em meus trabalhos e no meu dia-a-dia.Hj moro em Floripa e fui conhecer o Instituto Çarakura ontem, um sítio bem conectado à Permacultura e num momento conversei exatamente sobre isso que vc abordou.Aliás, mais uma vez vc tá de parabéns pela forma de abordagem sobre conscientização! Adorei a história dos macacos! Não lido com a menstruação com nojo, mas não agrego nenhuma função a ela. Vou repensar sobre isso e tentar modificar algo. Valeu pela leitura! Grande abraço!

09/06/2010 às 15:58 Anonymous - diz:

Raciel Gonçalves Junior – diz:Giuliana,Parabéns pelo texto. Considerando que ele está em linha com um assunto levantado na Rede Social Arca de Noé (http://arcadenoe.ning.com/profiles/blogs/primeira-menstruacao-de-jovem), tomei a liberdade de publicá-lo na íntegra lá com o devido crédito.Lá o assunto começou a partir do seguinte texto (parte): “A menarca — primeiro fluxo menstrual — de uma índia de 12 anos foi o argumento utilizado pela advogada Karla Pinhel, que defende os cerca de 300 indígenas acampados na Esplanada dos Ministérios desde janeiro, para impedir a remoção dos manifestantes de 12 etnias e solicitar a retirada dos cerca de 80 homens das polícias Federal e Militar e do Batalhão de Operações Especiais (Bope). Sensível à tradição, que prevê o isolamento da menina por sete dias em sua cabana, a juíza federal substituta da 6ª Vara do Distrito Federal Maria Cecília Rocha revogou um mandado judicial, emitido por ela mesma, e concedeu uma liminar para que o grupo permaneça na região central de Brasília sem o monitoramento da polícia.”O que me levou ao seguinte comentário: “Na condição de Ator Social no Sistema de Garantia de Direitos da Criança e Adolescente, ocorreu-me (aproveitando a Cultura e os ensinamentos presentes neste costume dos Guajajaras) de iniciar uma mobilização para encontrar Advogados, que agindo voluntariamente, com base no Estatuto da Criança e do Adolescente, buscassem um meio jurídico de garantir que a primeira menarca da “menina não indígena vivendo em situação de vulnerabilidade” também venha a ser em lugar sagrado, ou seja, em uma moradia digna e no seio de uma família.A princípio – uma MISSÃO IMPOSSÍVEL-, mas podemos tentar, certo?”[ ]‘s,Raciel Gonçalves JuniorRede Social Arca de NoéCriador e Netweaver…

12/07/2010 às 14:30 Anonymous - diz:

Diana Gilli – diz:Como eu disse da outra vez Giu, é um conceito diferente de vida e eu respeito. :)

09/03/2012 às 12:08 Josiane - diz:

Adorei o texto!
Gostaria de saber um pouco mais sobre a Ecovilas.

obrigada

15/10/2013 às 12:22 anna sazanoff - diz:

Nosso sangue da lua é um dos maiores biofertilizantes existentes,possui muito ferro é sais minerais.além de fazer super bem as plantinhas e dar continuidade ao ciclo de retribuir a Mãe Terra tudo que ela nos dá,no local onde plantamos nossa lua(ou seja jogamos nosso sangue menstrual)começam a nascer as plantas que nosso organismo esta precisando,pois a terra faz um leitura do nosso sangue e vê o qual a carencia de nutrientes estamos tendo.isso não é magica,é ciencia,e só plantando a lua pra comprovar .Outra alternativa aos paninhos são os coletores menstruais,copinhos de silicone medicinal,super higienico,confortavel,economico e ecologico,ja que um unico copinho dura cerca de 10 anos.Se quiserem conhecer um pouco mais dessa pratica indico a pagina no facebook Movimento Plante Sua Lua.Amor e gratidão!

15/10/2013 às 22:57 Lívia Brito - diz:

É muito linda a nossa conexão com a Mãe Terra também através do nosso sangue. <3

16/10/2013 às 09:41 Janaína Ribeiro - diz:

Olá Giu, adorei o teu post, este tema é super presente na minha vida, toda essa descoberta do nosso poder de gerar, da força e a intensidade do nosso sangue, todo esse tabu e paradigmas que nos fazem sentir “estranhas e nojentas”, justamente pelo que temos de mais sagrado! Aiaiaiai! Escrevi um artigo sobre isso também,
http://www.daraluzgineterapia.blogspot.com.br/2013/08/meu-sangue-e-sagrado.html

Beijo

08/06/2014 às 22:56 JOABE - diz:

OBRIGADO AJUDOU NA MINHA PESQUISA ESCOLAR

Deixe aqui seu comentário: Preencha os campos abaixo para comentar, solicitar ou acrescentar informações. Participe!

Enviar

Gaiatos e Gaianos

GIULIANA CAPELLO

é jornalista ambiental especializada em construções sustentáveis, guarda-parque, permacultora e autora do livro Meio Ambiente & Ecovilas (Senac São Paulo). É colaboradora das revistas Arquitetura & Construção, Casa Claudia e Bons Fluidos. Formada em design de comunidades sustentáveis, mora na Ecovila Clareando, a 100 km de São Paulo. Sua casa, construída com técnicas de bioconstrução, reflete princípios que adota em seu cotidiano: conexão com a natureza, simplicidade voluntária e consumo responsável. Aqui, conta histórias de quem deixou a cidade grande para viver no campo ao lado de amigos - e tornar a vida mais plena, criativa e sustentável.

Clique e faça o download

Revista do clima Material de etiqueta

Posts anteriores

22/07 - Beleza de verdade vem de dentro

15/07 - Criança é para brincar

08/07 - A falta de água, a Copa e o porvir

01/07 - Como você lida com a sua menstruação?

24/06 - Você, a comunidade e a tal felicidade

10/06 - Por uma revolução mais gentil

03/06 - O dia em que chorei por um rio invisível

27/05 - Aprender a não julgar

20/05 - Dia de compras na ecovila

13/05 - Mulheres na agricultura

06/05 - Cardápio feito pelos vizinhos

29/04 - Mudaram as estações, tudo mudou…

22/04 - Um tico-tico na lavanda

15/04 - Autonomia para cuidar da água

08/04 - A taioba do meu quintal

01/04 - Meu pé de ipê verde

25/03 - Uma porteira para outro mundo

18/03 - A lua, o silêncio e o manjericão

11/03 - As favelas e minha vida na ecovila

06/03 - Orgulho de ser pedreira

25/02 - Deixa o santo de casa fazer milagre!

18/02 - Histórias que vêm do nosso prato

12/02 - A seca, o sistema e o suco de eucalipto

04/02 - Ecovila não pode ser privilégio de rico

28/01 - Vida de cão sem ração

21/01 - É tempo de futebol na ecovila!

15/01 - Falta de natureza já virou doença

07/01 - Qual é a sua comunidade?

17/12 - Feliz com a chegada de novos vizinhos

10/12 - Natal sem poluição publicitária

03/12 - O equívoco das grandes obras

26/11 - O prazer de trabalhar em casa

19/11 - Leitura no ponto de ônibus!

12/11 - Sem vitrines: abstinência ou prazer?

05/11 - Individualismo não é sustentável

29/10 - Uma nova geração a caminho!

22/10 - Que mundo você apoia com suas compras?

15/10 - Simplicidade: arrumou sua cama hoje?

08/10 - Você quer uma casa no campo?

01/10 - Lições de sustentabilidade da vovó

24/09 - Tradição de primavera

17/09 - Desacelere e seja mais feliz

10/09 - Por mais espaços inspiradores

03/09 - Para transcender as leis

27/08 - Natureza, máquinas e ritmos internos

20/08 - Nasci analógica, e agora?

13/08 - Não deixe o trabalho matar sua curiosidade

06/08 - Orgânicos: um luxo ou um direito de todos?

30/07 - Fofocar é sustentável?

23/07 - Hoje o almoço vai ser Panc!

16/07 - Ratos em casa: o que fazer?

10/07 - Vinho de jaca e banana nanica? Noooossa!

02/07 - O inverno e os edifícios doentes

25/06 - Protestos, compras e o amanhã

18/06 - Geração pudim de leite e papel de carta

11/06 - De quintal em quintal

04/06 - Uma viagem 100% sustentável

28/05 - Naná e meus sapatos: uma lição de desapego

21/05 - Para caminhar em tempos difíceis

14/05 - Quer uma vida criativa? Conecte-se à natureza!

07/05 - Pelo fim da capina química nas cidades

30/04 - Que tal virar minimalista?

23/04 - Gratidão: uma chave para o não consumo

16/04 - A insustentável leveza dos tomates chineses

09/04 - Sobre a diferença entre possuir e ter acesso

02/04 - Tinta com farinha? Sim, é natural e sem cheiro!

28/03 - Lições caninas para uma vida mais feliz

19/03 - E dá-lhe esterco no reboco!

12/03 - Abundância é ter chuchu na cerca!

05/03 - Você quer estar ajustado ou ser livre?

26/02 - Menos iPad, mais Aipim!

19/02 - Feliz, sem isso e sem aquilo

13/02 - Você pratica a simplicidade ao fazer as malas?

05/02 - Seu trabalho é sustentável?

29/01 - IPTU verde e o caminho para leis mais simpáticas

22/01 - Privacidade em comunidade

15/01 - Vamos usar mais água de chuva!

08/01 - Reflorestamento na ecovila

18/12 - De onde vem a água que nos abastece?

11/12 - Para viver em paz no campo

04/12 - Você rima simplicidade com vontade?

27/11 - Juá para escovar os dentes?

20/11 - Viva a autonomia cultural!

13/11 - Bioconstrução com sabor de autoestima

06/11 - Bioconstrução: resiliência para todos!

30/10 - Ecovila ou empreendimento imobiliário?

23/10 - Lições de uma ecovila alemã

16/10 - Aprendendo a observar a natureza

09/10 - Desplugada do mundo?

02/10 - Comida orgânica combina com…

25/09 - Beterraba para tingir tecido!

18/09 - Liberdade para experimentar!

12/09 - Bioconstrução de casas e sonhos

04/09 - O design da sustentabilidade

28/08 - O que é uma casa sustentável?

21/08 - Muito além de técnicas ecológicas

14/08 - A horta está no seu prato?

07/08 - Minhocas e kefir: meus novos companheiros

31/07 - Sobre não ter coleta de lixo em casa…

24/07 - Qual é a cara do seu consumo?

17/07 - Ecovilas de portas abertas

10/07 - Tempo enlatado

03/07 - Menos dinheiro para uma vida mais rica

26/06 - Horta limpa: chuva, suor e girassóis

19/06 - Rio+20, umbigos e dilemas pós-modernos

12/06 - Um bife por um mundo melhor?!

05/06 - Ritmo de comunidade

29/05 - Como você cuida de você?

22/05 - Ser limpinho num planeta sujinho?

15/05 - Eu, você e o fim do mundo

08/05 - Esterco, palha e felicidade

01/05 - No compasso da natureza

24/04 - A simplicidade e a crise de imaginário

17/04 - Criança precisa de natureza

10/04 - Dias de mudança e gentilezas!

03/04 - Mudança para a ecovila!

27/03 - Meio ambiente: por que custo e não investimento?

20/03 - A lição básica do lixo

13/03 - Discurso sustentável tem limite

06/03 - A cidade, o campo e a estrela Sinhá

28/02 - A mágica das trocas de saberes

21/02 - Carnaval em comunidade

14/02 - Ideias para esverdear a construção

07/02 - Teste drive do banheiro seco

31/01 - O planeta numa bandeja (de isopor)?

24/01 - Reflexões sobre o slow life e a internet

17/01 - A face feia dos cosméticos

10/01 - Vasos para melhorar o trânsito

03/01 - Primeira virada em casa!

20/12 - 2012: ano para entender o planeta

13/12 - Pratique a observação!

06/12 - Greenbuilding para pássaros

29/11 - Belo Monte, Rachel Carson e minhas velas artesanais

22/11 - O caipira e a mobilidade urbana

15/11 - O que dar a alguém que já tem “tudo”?

08/11 - Pela volta do fogo doméstico

02/11 - O empurrãozinho que faltava…

25/10 - Um lugar em você chamado Ahimsa

19/10 - RPPN El Nagual: cooperação, amizade e inspiração

11/10 - Dez anos de um sonho

04/10 - Você quer ser bom ou justo?

27/09 - É primavera em mim

20/09 - E viva o decrescimento

13/09 - Um guarda-chuva para dois verões

06/09 - E quando não há rede de esgoto?

30/08 - Quem casa quer casa (ecológica!)

23/08 - Se não é divertido, não é sustentável

16/08 - Lunática com muito orgulho

09/08 - Secador solar e generosidade

02/08 - Doze metros de muita história

26/07 - Velhice x terceira idade

19/07 - Infância desplastificada

12/07 - Um dia sem telas

05/07 - Um luxo chamado Tempo

28/06 - Horta de fundo de quintal

21/06 - Liberdade anda junto com sustentabilidade

14/06 - Produtos que não deveriam existir

07/06 - Lixo é uma questão topológica

31/05 - Celebração de blogueira

24/05 - Você e o fim da sacolinha em SP

17/05 - A lição do Ubuntu ancestral

10/05 - Ecovila: no pasto ou na mata nativa?

03/05 - Cada um com seu entulho

26/04 - O descaso com o lixo orgânico

19/04 - Espiritualidade e vida comunitária

12/04 - Produzir ou consumir cultura?

05/04 - Fukushima e você

29/03 - Trocas solidárias que enriquecem

22/03 - Lavar roupas sem sabão!

15/03 - Acordos comunitários para a ecovila

08/03 - O valor de uma árvore

01/03 - A chegada de uma nova vida

22/02 - Por que o simples é tão complicado?

15/02 - Impressões do interior

08/02 - Só tecnologia não salva o planeta

01/02 - Bioconstrução na serra fluminense

25/01 - Um bairro em transição

18/01 - Petrofóbicos e locávoros, uni-vos!

11/01 - Permacultura para transformar

04/01 - Água de chuva, muita chuva…

21/12 - Partida e chegada

14/12 - A nova história dos três porquinhos

07/12 - 365 dias mais ecológicos

30/11 - Maternidade e natureza

23/11 - Livrai-nos dos pecados do greenwashing!

16/11 - Pesadelo de consumo

09/11 - Dias de mudança (e desapego)

02/11 - Sustentável e mais barato, sim!

26/10 - Quem faz a sua comida?

19/10 - Ecovila: mutirão na represa!

12/10 - Cohousing: morar com amigos

05/10 - Esgoto bacana e ecológico

28/09 - Superadobe ou terra ensacada

21/09 - Primavera com onça e lobo-guará!

14/09 - Bioconstrução para multiplicar

08/09 - Feriado unplugged

31/08 - O que é viver bem?

24/08 - Jardim de histórias

17/08 - Por que adoro hortas permaculturais

10/08 - O joio e o trigo

03/08 - Máquinas descartáveis?!?

27/07 - Parques x hidrelétricas

20/07 - Atire bolas de semente!

13/07 - Sobre as boas tradições

06/07 - Precisamos de uma escola!

29/06 - Sobre a formação de uma ecovila

22/06 - Festa junina na ecovila

15/06 - Quando o tamanho é documento

08/06 - Terra fértil e sangue menstrual

02/06 - O tempo de uma casa

25/05 - O centro comunitário da ecovila

18/05 - Tempo para a arte

11/05 - Medicina ecológica?

04/05 - O céu de todos e de cada um

27/04 - Aqui e agora

20/04 - Sabedoria das ervas

13/04 - Qual é a sua sustentabilidade?

06/04 - Privacidade numa comunidade

31/03 - Ecodesign para cuidar do planeta

23/03 - Home centers e produtos ecológicos

16/03 - O valor do silêncio

09/03 - Ecovila com horta… e sem delivery

02/03 - A conta de gasolina na ecovila

23/02 - Patos, galinhas e outros bichos

16/02 - Despedida na ecovila

10/02 - Conectada, finalmente!

02/02 - Menos tv, mais horta

26/01 - O recado das crianças

19/01 - Os pedreiros somos nós!

12/01 - Esperança e cooperação na ecovila

05/01 - O tempo é o novo regente

15/12 - Sobre a proximidade do fim

08/12 - A COP15 e a síndrome do panetone

01/12 - Histórias de uma parteira na Amazônia

24/11 - Multiplicar é muito bom

17/11 - Governança na ecovila

10/11 - Morar em vila…em São Paulo

03/11 - Gestão do lixo na ecovila

27/10 - Ecovila e sustentabilidade econômica

20/10 - Um carro, um jipe ou um cavalo?!

13/10 - Parede de toquinhos

06/10 - Casa com água da chuva

29/09 - Para iluminar a casa e curtir a noite

22/09 - Festa da primavera

15/09 - Uma casa para abrigar nossos sonhos

08/09 - Uma moldura para o horizonte

01/09 - A composteira da minha avó

25/08 - Quando o ecológico não é bem ecológico

18/08 - Tijolos de adobe

11/08 - Não sei se é verdade, mas repasso?!?

04/08 - Por que adoro feiras de trocas

28/07 - Ecovila sem internet?

21/07 - Entre amigos

14/07 - Minha casa num programa de tv…

07/07 - Ah, esse excesso de e-mails…

30/06 - Trabalho de formiguinha

23/06 - Socorro, não aguento mais SP!

16/06 - Para tecer uma vida na ecovila

09/06 - Entre na onda das roupas usadas

02/06 - Mão na massa, sem discursos

26/05 - Mata atlântica: mais que uma efeméride

19/05 - Como construir uma ecovila?

12/05 - O que fazer com a madeira que sobrou?

05/05 - Histórias de reúso, economia e bons amigos

28/04 - Frio na barriga…

21/04 - Mutirão de solo-cimento

14/04 - Encontro de ecovilas!

07/04 - Sua casa pode ser uma ecovila

31/03 - Meu telhado verde, verdinho, verdinho

24/03 - Celebrar ajuda a enfrentar problemas

17/03 - Yoga e sustentabilidade

10/03 - O segredo da abóbora mágica…

03/03 - Dona-de-casa, eu?!?

24/02 - Quanto vale o nosso trabalho?

17/02 - Forno de pizza de barro

10/02 - Meus vizinhos, minha família

03/02 - Mosaico de vidros usados

27/01 - A insustentável mão-de-obra

20/01 - Sorvete de inhame!

13/01 - De que é feita a minha casa?

06/01 - Parede de garrafa?!

16/12 - Composteira de novo!

09/12 - O Natal pode ser ecológico?

02/12 - A alegria de viver em comunidade

25/11 - Infância ecológica

18/11 - Devagar é mais gostoso

11/11 - Mitos e vícios modernos

04/11 - Crise financeira ou chance para o planeta?

28/10 - O que eu vou fazer numa ecovila?

21/10 - Fãs de pau-a-pique

14/10 - Construir com as próprias mãos

07/10 - Parto natural e ecológico

30/09 - Confissão: eu não passo roupas

23/09 - As ecovilas e as mudanças climáticas

16/09 - Slow life: vida mais calma, lenta e confortável

09/09 - Paredes vivas de Cob

02/09 - Dividir para ter mais

26/08 - Tomada de decisão por consenso

19/08 - Simplicidade voluntária

12/08 - Bicho de ecovila

05/08 - Brechó arquitetônico

29/07 - Histórias de João-de-barro

22/07 - Tapioca: regional, gostosa e sustentável

15/07 - Para ter uma composteira caseira

08/07 - Mutirão de telhado verde

01/07 - Malhação para o planeta

24/06 - Minha casa na ecovila

17/06 - Catadores de esperança

10/06 - Água no copinho plástico? Tô fora!

03/06 - Música para sentir a natureza

27/05 - Bioconstrução e desastres naturais

20/05 - Democracia, consenso ou autocracia??

13/05 - Entulho não é lixo!

06/05 - Viva o pequeno agricultor!

28/04 - Educação para o campo

22/04 - Meu bairro, minha cidade

15/04 - Por trás do velho clichê

08/04 - Para construir uma comunidade

01/04 - O prazer das compras solidárias

25/03 - O tempo do sol e da lua

18/03 - Poluição e Arte dentro do túnel

11/03 - Riqueza para além do dinheiro

04/03 - Catadora, com muito orgulho

26/02 - Nós e a natureza, conectados

19/02 - High tech ou low tech?

15/02 - Impressões de uma ecochata (?) na Campus Party

12/02 - Horta vertical para pequenos espaços

05/02 - Receitas naturais para curar a ressaca do carnaval

29/01 - Aprendendo a costurar com a avó

22/01 - Festa infantil não precisa ser descartável!

15/01 - Telhado ou jardim?

08/01 - Consumo verde: tarefa difícil mas necessária

18/12 - Permacultura: do linear ao cíclico

14/12 - Um mergulho na Permacultura

04/12 - Cinco dias com o arquiteto descalço

27/11 - Banheiro seco? Como assim?!

20/11 - Sustentável é também saber ouvir

13/11 - Permacultura: transformando problemaem solução

06/11 - Uma delícia de mutirão

30/10 - O dia em que adotei a Sofia

23/10 - Falta de civilidade é fogo (na mata)!

16/10 - Design natural é tudo de bom!

09/10 - Dividir a lavanderia com o vizinho?!?

02/10 - Abaixo as fraldas descartáveis!

02/10 - Sim, absorvente ecológico!

25/09 - Histórias de uma outra gastronomia

25/09 - Uma outra gastronomia – parte 2

21/09 - Sem carro e sem delivery

18/09 - Por uma dieta que respeite o planeta

11/09 - Minhocas via Sedex

04/09 - Mais adubo e menos lixo

28/08 - Lugar de madeira é…

28/08 - Construtoras precisam se adaptar

24/08 - Seu Zé e as arvrinhas

21/08 - Reunião de condomínio? Não, de ecovila!

14/08 - Disk-pizza e permacultura na geladeira

07/08 - Domingão na feira de trocas

07/08 - Feira de trocas – parte 2

07/08 - Feira de trocas – parte 3

31/07 - Guarda-roupa coletivo espanta o frio

25/07 - Até quando seremos gaiatos?

Receba as noticías mais recentes

assine RSS Gaiatos e Gaianos

Arquivos de posts