BLOGS |Blog do Clima

Por dentro das emissões brasileiras de gases de efeito estufa Tasso Azevedo - 01/12/2014 às 09:57

por-dentro-emissoes-brasileiras-gases-efeito-estufa

O Observatório do Clima lançou, na última semana, os dados revisados, ampliados e atualizados do Sistema de Estimativa de Emissões de Gases de Efeito Estufa do Brasil – SEEG. A série histórica levantada por esse sistema, agora, abrange o período de 1970 a 2013 (exceto para mudança de uso da terra que abrange 1990-2013) e com alocação das emissões por atividades econômica e por estados, o que ampliou a base de dados de 100 mil para mais de 2 milhões de registros.

Todos os dados são disponíveis para consulta e download nessa plataforma na internet, onde também estão disponíveis infográficos, notas metodológicas e algumas ferramentas de consulta e visualização on line.

A seguir alguns dos destaques das informações geradas pelo SEEG 2014:

• Emissões brasileiras(1) de gases de efeito estufa atingiram 1.568 milhão de t CO2e em 2013, o que representa aumento de 7,8% em relação ao ano de 2012, e o maior valor desde 2008;

• O aumento das emissões de 2013 representa reversão de tendência registrada desde 2005, em que as emissões vinham caindo ano a ano devido a sucessivas quedas nas taxas anuais de desmatamento. Em 2012, atingiram o seu menor valor, com 1.454 milhão de t CO2e;

• Todos os setores tiveram crescimento das emissões em 2013, com destaque para as mudanças de uso do solo (+16.4%), puxado pelo aumento do desmatamento na Amazônia e Cerrado e energia (+7,3%), influenciado pelo aumento do uso de energia termoelétrica de fontes fósseis e do consumo de gasolina e diesel;

grafico1

• O setor de mudança de uso da terra ainda representa a maior parcela das emissões (35%). Mas o setor de energia teve aumento expressivo de participação, e alcança agora 30% das emissões, e é seguido de agropecuária (27%), processos industriais (6%) e resíduos (3%);

• Considerando-se as diferentes atividades econômicas, o setor agropecuário continua a ser a principal fonte de emissões (considerando-se suas emissões diretas e a parcela do setor em desmatamento, energia e resíduos), com 63,4% das emissões em 2013. Mas sua participação diminuiu entre 2010 e 2013. Em 2010, o setor era responsável por 68% das emissões brasileiras. Neste mesmo período (2010-2013), cresceu a participação do setor de transportes (11% para 13%) e a produção de combustíveis e energia elétrica (4,5 para 6,1%);

• Foi possível fazer a alocação de 91% das emissões brasileiras a estados e Distrito Federal. Quando analisados as alocações estaduais de emissões de todos os setores, as maiores emissões recaem sobre o Pará (11.2%) e Mato Grosso (9,4%), seguidos de São Paulo (8,5%) e Minas Gerais (7,5). Quando se consideram as emissões sem as decorrentes de mudança de uso do solo, a liderança passa para São Paulo (12,9%), seguido de Minas Gerais (9,8%) e Rio Grande do Sul (7,2%);

grafico2

grafico3

• As emissões per capita, que vinham caindo desde 2004, voltaram a crescer e em 2013 alcançaram 7,8 t CO2/hab. É o primeiro aumento de intensidade de emissões per capita desde 2004, quando atingiu o pico de 16,4 tCO2/habitante, puxado pelas altas taxas de desmatamento na Amazônia. Contudo, quando observadas as emissões sem as mudanças de uso da terra (que incluem as emissões de desmatamento), a intensidade de emissões por habitante cresce sistematicamente desde 1990, passando de 3,9 para 5,1 tCO2/há, entre 1990 e 2013. Desde 1990, as emissões per capita brasileiras superam as emissões per capita globais, atualmente em cerca de 7,2 tCO2e/hab;

• A intensidade de emissões na economia também aumentou. A quantidade de reais de PIB gerado por tCOe2 emitido caiu de R$ 3.251,00, em 2012, para R$ 3.090,00, em 2013, o que representa, portanto, uma redução da eficiência de nossa economia em relação às emissões de gases de efeito estufa.

Conheça mais sobre as emissões brasileiras de gases de efeito estuda no site do Seeg.

______________

(1) Neste documento, referem-se sempre a emissões brutas (sem desconto da remoção por mudanças de uso da terra) e expressas em carbono equivalente GWP-100. Veja o item 4 deste documento, sobre como são produzidas as estimativas de emissões, para o detalhe dos termos.

Foto: bestviewedlarge/Creative Commons/Flickr

ver este postcomente
Comentários

01/12/2014 às 15:15 Por dentro das emissões brasileiras de gases de efeito estufa - Portal Sustentabilidade | ADEMI-BAPortal Sustentabilidade | ADEMI-BA - diz:

[…] Foto/Crédito: Divulgação Fonte: Planeta Sustentável. Leia a matéria completa aqui. […]

Deixe aqui seu comentário: Preencha os campos abaixo para comentar, solicitar ou acrescentar informações. Participe!

Enviar

Blog do Clima

A Mudança Climática é uma das mais importantes discussões de nosso tempo. Como esse assunto influencia a vida das pessoas, das empresas e dos países? O que a pegada de carbono tem a ver com a Nova Economia? Como isso altera o meio ambiente, a produção de energia e a criação de empregos? O que a mudança climática tem a ver com o cotidiano de cada um de nós? O Blog do Clima vem para ajudar a entender melhor tudo isso e acompanhar o lançamento do 5º. Relatório do IPCC – Painel Intergovernamental das Mudanças Climáticas, da ONU, realizado entre 2013 e 2014. Este blog tem curadoria do engenheiro florestal TASSO AZEVEDO (foto), empreendedor socioambiental e consultor sobre florestas, clima e sustentabilidade, que também foi diretor geral do Serviço Florestal Brasileiro e um dos formuladores da Política Nacional de Mudanças Climáticas.

Agenda do clima

Clique e faça o download

Revista do clima Material de etiqueta

Posts anteriores

Receba as noticías mais recentes

assine RSS Blog do Clima

Arquivos de posts