BLOGS |Blog da Redação

O que a maconha tem a ver com a crise econômica? Marina Franco - 31/08/2012 às 09:00


De acordo com jornalista americano e associação espanhola, a planta pode ser parte da saída para dívidas públicas. Doug Fine, que já colaborou para o jornal Washington Post e a revista Wired, acaba de lançar, nos Estados Unidos, o livro Too High to Fail – Cannabis and the New Green Economic Revolution (em tradução livre: Muito Chapado para Fracassar – Maconha e a Nova Revolução Econômica Verde).

Fine passou um ano em uma comunidade rural no condado de Mendocino, na Califórnia, para escrever este livro. Lá o plantio da Cannabis para fins medicinais é autorizado pelo xerife da cidade, mediante o pagamento de taxa. Cada produtor pode cultivar no máximo 99 mudas da planta, para não passar por cima da lei federal, que determina prisão para quem tiver 100 mudas ou mais.

O que o jornalista constatou:
- 80% da economia de Mendocino é movimentada por conta da droga: por ano, são gerados de US$ 6 bi a US$ 8 bi;
- Segundo professor de economia de Harvard entrevistado no livro, em 2011 a droga poderia ter gerado impostos no valor de US$ 6,2 bilhões ao governo. Se a planta fosse legalizada, o lucro poderia ser de US$ 47 bilhões;
- A Cannabis industrial – para os setores têxtil, alimentício e energético – tem mais potencial econômico do que para o uso medicinal.

“Imagine se a economia americana se beneficiasse desses números, em invés de eles irem para as contas de gangues criminosas”, afirma o jornalista em seu site.

Enquanto alguns Estados dos EUA consideram votar pela legalização da maconha para uso recreativo nas próximas eleições de novembro, a população da pequena cidade de Rasquera, na região espanhola da Catalunha, aprovou por plebiscito a plantação da erva para pagar as dívidas da crise financeira.

O cultivo, para consumo social, será feito pela ABCDA – Associação de Barcelona de Autoconsumo de Cannabis, que é legal e tem cinco mil sócios, em terrenos alugados da prefeitura da cidade. A ABCDA pagará 550 mil euros por mês. Estima-se que em dois anos a dívida de Rasquera estará quitada.

Para reduzir seu impacto ao meio ambiente, as plantações propostas por Doug Fine e pela ABCDA poderiam se inspirar na norma da cidade de Boulder, no Colorado, que exige fontes limpas de energia para o cultivo de maconha (leia Plantadores de maconha precisam compensar emissões de carbono).

Comente aqui o que achou dessas ideias.

Saiba mais sobre o impacto da produção de maconha em estufas – não é o caso das propostas de Doug Fine ou da ABCDA:
- Qual é a pegada de carbono da maconha?
Maconha: quanto custa o ‘barato’ para o meio ambiente?

Leia também:
Uso de maconha pode reduzir fatalidades no trânsito? 
Casa de fibra de maconha: resistente a furacões
Abasteça seu carro com maconha
Carro elétrico feito de fibra de maconha

Foto: Alexodus / Creative Commons

ver este postcomente

Menina de 13 anos expõe problemas de sua escola no Facebook e consegue melhorias Marina Franco - 29/08/2012 às 13:18


Isadora Faber
está na sétima série do ensino fundamental da Escola Básica Maria Tomázia Coelho, que fica no bairro do Santinho, em Florianópolis. Cansada de questionar os problemas estruturais e pedagógicos de seu colégio – comum à grande parte das escolas públicas brasileiras – sem receber resposta, Isadora criou, no Facebook, a página Diário de Classe, a verdade…*

Nela, Isadora comenta sobre a situação precária da quadra onde faz aulas de Educação Física, a zona na sala de aula durante a aula de Matemática, os bancos quebrados do refeitório e a humilhação que sofreu por falar sobre seus professores na internet. Com a ajuda de um celular, registra imagens e grava vídeos para esclarecer as questões. Os posts rendem milhares de likes e centenas de comentários de pessoas que a apoiam e compartilham histórias de outras escolas. Isso porque Diário de Classe, a verdade… bombou esta semana na internet. Até agora, mais de 150 mil perfis do Facebook curtiram a página.

O mais importante é que as denúncias de Isadora surtiram efeito. A administração da escola trocou fechaduras quebradas e retiraram fios de um ventilador que estavam dando choque. Mais do que isso: a secretária de Educação da cidade, marcou reunião com as diretoras de infraestrutura, ensino fundamental e geral para falar sobre as postagens e a situação da escola.

Segundo Isadora, Diário de Classe, a verdade… não é contra a escola em que estuda, apenas procura mostrar a realidade das escolas públicas. Sua inspiração foi o blog de uma menina escocesa que tirava fotos da merenda de sua escola e criticava a qualidade da comida.

As duas mostram, primeiro, que ir atrás de resolver seus problemas – e não esperar que o governo ou autoridades superiores o façam – pode trazer melhorias. Em segundo lugar, como a internet pode dar mais visibilidade para problemas locais e ajudar a resolvê-los. Você usa as redes sociais como forma de denúncia? Conhece outros exemplos ? Comente aqui!

*Diário de Classe, a verdade… 

Leia mais sobre o caso: 
Educadores não estão prontos para lidar com ‘Isadoras’ 
‘Ainda me pergunto por que houve repercussão tão grande’, diz diretora da escola de Isadora Faber 
Inspiração da estudante Isadora Faber veio da Escócia 

Leia também:
Menina de oito anos dá início a campanha global de combate à falta de água no mundo
Menina de 11 anos protesta contra documento final da Rio+20
Filhos de políticos nas escolas públicas
A menina que criou uma ONG para crianças

Imagem: Reprodução 

ver este postcomente

Hotel Mirrorcube reflete beleza da floresta escandinava Marina Franco - 27/08/2012 às 09:01


O projeto do hotel Mirrorcube*, que fica no meio de uma área verde no norte da Suécia, perto do círculo Ártico, é simples e impressionante. O quarto é sustentado por uma árvore, tem formato de cubo e quatro metros quadrados na base – espaço suficiente para cama, banheiro e uma pequena sala de madeira e design escandinavos. No topo do cubo, há um terraço para os hóspedes apreciarem a vista superprivilegiada.

Seu exterior chama ainda mais atenção. O cubo foi construído com vidros espelhados e, por isso, reflete a natureza ao redor. Dependendo do ponto em que você o observa, ele “some” e você enxerga apenas floresta. Detalhe: o vidro é revestido por uma película de cor ultravioleta, visível apenas para aves, para impedir que pássaros voem em direção ao quarto.

Quando estiver dentro do cubo, no conforto do aquecimento térmico, os hóspedes podem observar os animais da floresta sem que sejam notados pelos bichos. A ideia dos arquitetos Bolle Tham e Martin Videgård foi incomodar a natureza o menos possível.

O Mirrorcube fica próximo da vila Harads e faz parte da rede de hotéis Treehouses, que outros quartos-conceito. Que tal se hospedar numa casa na árvore dessas?

*Mirrorcube 

Leia também:
Hotel da Bolívia é construído com blocos de sal
Dubai ganhará hotel subaquático
Tubos de concreto viram quartos de hotel
Ark Hotel: abrigo flutuante
Como deve ser um hotel sustentável?
Hotéis ecologicamente corretos

Foto: Divulgação

ver este postcomente

Blog da Redação

A redação do PLANETA SUSTENTÁVEL é um encontro de pessoas envolvidas com um grande desafio: trabalhar a sustentabilidade como um tema urgente, transversal e inspirador, tradutível em múltiplas linguagens e necessário para os diversos públicos. Aqui, a editora Mônica Nunes, as repórteres Marina Maciel Vanessa Daraya e a jornalista Suzana Camargo (que colabora com o Planeta desde 2009) indicam lugares imperdíveis da web e contam novidades e boas histórias sobre cultura, sociedade, meio ambiente, cidadania, mudanças climáticas, mobilidade, inovação, direitos humanos, economia verde e muito mais.

Mônica NunesEditora/Gerente de Conteúdo

Marina MacielRepórter

Suzana CamargoColaboradora

Vanessa DarayaRepórter

Clique e faça o download

Revista do clima Material de etiqueta

Posts anteriores

Receba as noticías mais recentes

assine RSS Blog da Redação

Arquivos de posts