BLOGS |Biodiversa

Mosquitos contadores de histórias Liana John - 28/04/2011 às 13:50

No primeiro filme
Jurassic Park, um mosquito fóssil faz história ao ’doar’ sangue carregado de
DNA para a recriação dos dinossauros. Na vida real, mosquitos da Mata Atlântica
contam a história da distribuição da biodiversidade e podem ajudar na
restauração da vegetação nativa com o máximo de diversidade genética.

 

Para saber o que
‘dizem’ os mosquitos historiadores, o pesquisador português Pedro Miguel da
Costa Pedro
, do Instituto de Pesquisas Ecológicas (IPÊ) e da Universidade de
Guelph
(Canadá), está no Brasil fazendo coletas. Ele instala máquinas (www.mosquitron.com.br) movidas a
gás de cozinha no meio do mato e as deixa agir sozinhas por até uma semana.
Cada máquina é acoplada a um botijão de gás de cozinha que movimenta um
ventilador/aspirador e passa por um catalizador. O butano do botijão é
convertido em gás carbônico (dióxido de carbono) e expelido pelo ventilador,
atraindo todos os tipos de mosquitos das redondezas, num raio de 45 metros.

A exemplo das
espécies de mosquitos associadas ao homem, as espécies silvestres identificam
os animais de sangue quente no meio do mato pelo dióxido de carbono expelido na
respiração. As tais máquinas imitam a expiração e, quando o mosquito se
aproxima do suposto ‘alvo’, o aspirador entra em ação, sugando-o para um
reservatório dentro do aparelho.

“A cada tubinho
cheio de mosquitos acrescento sílica ou etanol puro, cuja função é secar os
insetos e preservar intacto seu DNA”, explica Pedro, graduado em comportamento
animal pela Universidade de Bucknell (Estados Unidos), com doutorado pela
Universidade de Leeds (Inglaterra). “Depois, preparo a mistura de, digamos, mil
mosquitos em laboratório e a coloco no sequenciador genético. Os primeiros
sequenciadores analisavam apenas o DNA de um animal por vez, mas os atuais,
chamados de next generation (próxima geração), permitem trabalhar conjuntos de
até 3 milhões de indivíduos por vez”.

No caso dos
mosquitos da Mata Atlântica, o que interessa é um pedacinho do DNA de cada
inseto, conhecido como citocromo-oxidase 1, que identifica uma molécula
auxiliar da respiração celular. “É algo que todos os animais têm, mas em
sequências diferentes. Isso me permite não só distinguir as espécies de
mosquitos coletadas como saber se há variação genética entre indivíduos da mesma
espécie”, explica o pesquisador. Em média, uma amostra com mil mosquitos tem de
10 a 20 espécies distintas. E as mais interessantes para o resgate da História
Natural da Mata Atlântica são aquelas exclusivas de floresta, não associadas ao
homem, como os mosquitos dos gêneros Sabethes e Wyeomyia, todos diurnos e
‘fashion’, de cor azul esverdeado metálico.

Ao colocar no
mapa do Brasil a informação gerada por todas as amostras sequenciadas, Pedro
consegue ‘ler’ a história da evolução dos mosquitos, identificando quais
mutações são mais antigas e quais são mais recentes; quais indivíduos são
‘parentes’ mais próximos, quais são mais distantes. Como as espécies são
restritas ao ambiente florestal, dá então para saber como a Mata Atlântica
ocupou o território ao longo de centenas de milhares de anos.

 

“As eras glaciais
duram, em média, 100 mil anos, enquanto as eras interglaciais duram cerca de 10
mil anos. Durante as eras glaciais, o clima fica mais seco e as florestas
tropicais, como a Mata Atlântica, recuam e se restringem ao que chamamos de
refúgios de biodiversidade, cercados de vegetação mais aberta, tipo savana”,
prossegue o especialista. “Estudos realizados com outros animais – anfíbios,
roedores e serpentes – indicam que os principais refúgios de Mata Atlântica da
última era glacial (Pleistoceno) se localizavam em Pernambuco, na Bahia e em
São Paulo. Quando entramos na presente era interglacial, a floresta
gradualmente se espalhou a partir destes refúgios, recolonizando as áreas
adjacentes até ocupar toda a área delimitada como domínio da Mata Atlântica”.

Embora a floresta
tivesse a mesma exuberância do Nordeste ao Sul è época do Descobrimento,
geneticamente há uma grande diferença entre as áreas dos antigos refúgios e as
áreas de recolonização. Os refúgios guardam uma biodiversidade e uma
diversidade genética de cada espécie muito maior. Por isso sua conservação é de
extrema importância. “E, se formos restaurar algum trecho de mata, o melhor é
buscar sementes nas áreas de antigos refúgios mais próximas, ou seja, as
árvores a serem plantadas em Pernambuco e nos estados vizinhos devem sair do
refúgio de Pernambuco, as plantadas no Paraná ou no Rio de Janeiro devem sair
do refúgio de São Paulo e assim por diante”, recomenda Pedro.

O problema é que
não temos os limites dos antigos refúgios, pois os mapas traçados a partir dos
vertebrados são parciais e é preciso ponderar a forma de distribuição de cada
espécie e se o relevo ou os rios funcionam como barreiras, o que tende a ser um
ruído na história contada por seu DNA. “Já os mosquitos nos dão algumas
vantagens, pois posso coletar e analisar 20 espécies ao mesmo tempo e um grande
número de insetos de cada espécie. Além disso, eles voam e os rios – se não
forem muito largos – não são barreiras como são para serpentes, anfíbios e
roedores. Sem contar que o comportamento dos mosquitos é muito estudado, a
literatura científica é ampla, sabe-se muito sobre sua Ecologia, distância de
voo, reprodução, em função dos estudos realizados com insetos vetores de
doenças ”, observa o especialista.

Em outras
palavras, mosquitos podem ‘contar’ mais detalhes sobre como era a Mata
Atlântica antes do homem existir. E devem ajudar Pedro da Costa Pedro a
desenhar os limites dos antigos refúgios de Mata Atlântica, além de verificar a
própria hipótese dos refúgios de Pernambuco, Bahia e São Paulo. A expectativa é
concluir a pesquisa até o final de 2012, com apoio da National Geographic
Society
.

E você que só
pensava nos mosquitos como meros sugadores de sangue, infernais e inúteis… Parece
que eles têm algo a nos dizer, afinal, além do irritante
zzzzuuuuiiiiiiiiiiiiimmmm!

Foto: Eduardo Bredo/Sucen (mosquito do gênero Sabethes) 

ver este postcomente
Comentários

02/05/2011 às 15:56 Anonymous - diz:

Haroldo Castro – diz:Bem diferente essa historia!

02/05/2011 às 18:01 Anonymous - diz:

Luis Gonzaga Truzzi – diz:Quem diria , hem ! Que esse “marditinho” teria uma importante função , principalmente p/ pesquisadores “ligados” ,como esse português. Muito interessante e singular!!

05/05/2011 às 15:31 Anonymous - diz:

Andrea Peçanha Travassos – diz:Que pesquisa interessante!A formulação desta hipótese é fantástica!

05/05/2011 às 21:50 Anonymous - diz:

zaga truzzi – diz:Mosquito fashion mesmo esse Sabhetes!

06/05/2011 às 15:42 Anonymous - diz:

Rogerio Pelepka – diz:Sou sócio da empresa Mosquitron, distribuidora exclusiva no Brasil dos equipamentos “Mosquito Magnet” dos EUA, utilizados pelo pesquisador Pedro.

14/04/2012 às 12:23 leila - diz:

nossa que dinossauro de verdade hem

31/01/2014 às 17:30 Ingrid Piva - diz:

Nossa hoje eu fui picada por um mosquito parecido com esse, só que essas peninhas rs, só tem nas parte da frente .. Tem algum risco . =/

Deixe aqui seu comentário: Preencha os campos abaixo para comentar, solicitar ou acrescentar informações. Participe!

Enviar

Biodiversa

LIANA JOHN

é jornalista ambiental. Escreve sobre conservação, mudanças climáticas, ciência e uso racional de recursos naturais há quase 30 anos, nas principais revistas e jornais do país. Ao somar entrevistas e observações, constatou o quanto somos todos dependentes da biodiversidade. Mesmo o mais urbano dos habitantes das grandes metrópoles tem alguma espécie nativa em sua rotina diária, seja como fonte de alimento ou bem-estar, seja como inspiração ou base para novas tecnologias. É disso que trata esse blog: de como a biodiversidade entra na sua vida. E como suas opções, eventualmente, protegem a biodiversidade.

Clique e faça o download

Revista do clima Material de etiqueta

Posts anteriores

03/07 - Fungo dá conta de limpeza ambiental da pesada

26/06 - Para pintar o sete entre quatro paredes

19/06 - Cerveja de mel com um toque junino

12/06 - O doce e lucrativo ataque das cochonilhas

05/06 - Babaçu deixa a limpeza mais limpa

03/06 - Morre Marigo, fotógrafo da natureza brasileira

29/05 - Cipós sociais com um quê de Murano

15/05 - Vem aí a revolução das embalagens comestíveis

08/05 - Polinizadores “Made in Brazil”

02/05 - Da merenda ao colchão, passando pelo uísque de bolinha

24/04 - Ninfeias e o valioso ar de sua graça

17/04 - Castanhas de mil e uma utilidades

10/04 - Pupunha para mamães, motores e cabritos

03/04 - Deu branco na queimadura

27/03 - Um acaso contra dor e inflamação

13/03 - Três aves para silenciar um trem

06/03 - Cajá combate, rebate e refresca

27/02 - Capturaram o pulo do gato

20/02 - É para comer, para lavar o cabelo e para salvar a pesca também

13/02 - Alga marinha é boa para chuchu

06/02 - Um besouro ainda vai vigiar sua comida

30/01 - Direto dos manguezais, uma solução contra a podridão

23/01 - Cafezinho bom já vem da roça com fungo

16/01 - Mais mandacaru, agora para engrossar o caldo!

09/01 - Bote mandacaru para aguar sua pele

27/12 - Flores brancas para encerrar o ano

19/12 - Ginseng brasileiro: da várzea aos holofotes

13/12 - Adubo verde à moda amazônica

05/12 - Açaí no filtro, saúde na comunidade

28/11 - Quer pendurar bem pendurado? Imite a preguiça!

22/11 - Microcomplô contra excesso de vinhaça e emissões de carbono

18/11 - Os pingos nos “is” do queijim mineiro

07/11 - Corais para driblar infecções hospitalares

31/10 - A hora e a vez das taturanas antivirais

24/10 - Sai o pesticida, entra o pequiticida

17/10 - Reforço verde contra a osteoporose

11/10 - Pequenos curtumes, grande sacada!

03/10 - Todas as cores da Caatinga

26/09 - Parasitas, às armas!

19/09 - Aposte na cascavel contra tumores e inflamações

12/09 - Cumaru, muito além do banho de cheiro

05/09 - Quando as estruturas pedem reforços

29/08 - O micro segredo das safras turbinadas

22/08 - Sem bactérias e leveduras, neca de biorrefinarias

15/08 - Oiticica garante feijão e renda em tempos de seca

08/08 - Um veneno e muitas possibilidades

01/08 - Um capim para livrar a cara de adolescência

22/07 - Um besourinho para salvar a salvação do sertão

12/07 - Bálsamo para barbeados “barbeiros”

08/07 - Até o Tarzan ficaria amarradão

27/06 - Graveto-do-diabo baixa a guarda do vírus da AIDS

20/06 - Alívio colateral em casos de radioterapia

13/06 - Pele protegida é com o goiabão

07/06 - Bom para o paladar, bom para o cérebro

29/05 - Bacupari bom de boca

23/05 - Do toco oco sai de tudo um pouco

16/05 - Óleos essenciais x fungicidas sintéticos

09/05 - A união faz o reforço

02/05 - Nanofibras com óleo geram tecidos medicinais

25/04 - Como passar uma borracha nos defeitos ósseos

18/04 - Sabor e conservação à moda Baniwa

11/04 - Sofisticação casa com sustentabilidade, sim senhor!

04/04 - Vai até o pelinho do caroço!

28/03 - Uma tijolada no desperdício

21/03 - Mais buriti: leve, claro e fresquinho

14/03 - Um substituto para o maldito isopor

07/03 - Gruda até debaixo d’água

28/02 - Um mato baixo contra a alta da malária

21/02 - Enzimas boas de briga

14/02 - Como se coloca uma baleia em um ventilador?

07/02 - Corta fadiga e apaga fogachos

31/01 - Erva-baleeira, a salvação dos esportistas bissextos

24/01 - Babaçu, o adsorvente eficiente

17/01 - Quando a inspiração vem do formigueiro

10/01 - Palmas para a carnaúba

03/01 - Pepinos e conchas contra trombose e tumores

27/12 - Orelha de onça acaba com asma, rinite e afins

21/12 - Bambu da bica à boca

13/12 - Uma cutia como opção amazônica

06/12 - Todo charme dos painéis de fibras naturais

29/11 - Pequi, o protetor dos atletas

22/11 - Do lixo para o Spa

15/11 - Fungos para curar nossos solos

08/11 - Uma microalga para dois macrodesejos: emagrecer e não envelhecer

01/11 - Para curtir sem poluir

25/10 - O fim (da picada) está próximo!

18/10 - Saúde embalada com estilo!

11/10 - Sentinelas nativos contra o estrangeiro voraz

05/10 - O lugar certo para a titica

27/09 - Pracaxi dá adeusinho às estrias

20/09 - Grandes lições de um pequeno construtor

13/09 - Ventilação à moda cupinzeiro

06/09 - Murumuru, a proteção que respira

30/08 - Do Cerrado, contra a dengue

23/08 - Quando as conchas entram pelo cano

16/08 - A proteção que vem da Caatinga

09/08 - Cheirinho fatal

02/08 - Mesma forma, nova função, tremenda inovação

26/07 - Bom para a tosse e bom para o clima

18/07 - Cheirosa, gostosa e – porque não? – decorativa

12/07 - Às favas com as varizes

05/07 - De amarga já basta a vida

28/06 - Uma borracha que duuuuuuura…

21/06 - Vamos todos tomar caju!

14/06 - Problemas com glicose? Aposte no cambuci!

07/06 - Das lagoas para as indústrias

31/05 - Como canários numa mina de carvão

24/05 - Não adianta chorar pelo petróleo derramado

17/05 - Camucamu contra gripes e resfriados

11/05 - Uma ponte para dois remédios

03/05 - Guanandi reabilita a várzea amiga

26/04 - Coração forte como um touro

19/04 - Para viajar sem jet lag

12/04 - Mensageiras das boas águas

05/04 - Os poderes ocultos do X-Caboquinho

29/03 - Do couro n’água ao couro d’água

22/03 - Descole, se for capaz

15/03 - Frutas com veneno, nunca mais!

08/03 - Uma invasora contra invasões

01/03 - Larica de priprioca

23/02 - Em passo de formiguinha…

16/02 - O toque de Midas da bromelina

09/02 - Curauá enfrenta até terremoto!

02/02 - Da boca da serpente

26/01 - Com mulungu, mamulengo é moleza!

19/01 - Com mandacaru não tem água turva

12/01 - Pode comer que… é batata!

05/01 - Um catavento contra o câncer de laringe

22/12 - Enfim um fim para micoses teimosas!

15/12 - A volta por cima da velha piaçava

08/12 - Quando a ferroada vira remédio

01/12 - Feijoa: guardem bem este nome!

24/11 - A proteção está no bagaço

17/11 - Coco no cabelo, casca no churrasco

10/11 - Novo etanol sairá do solo amazônico

03/11 - Caju com resíduos faz do piso à telha

28/10 - O macaco está certo!

20/10 - Sujeira da grossa pede bactérias faxineiras

13/10 - O conservante dos conservadores de beleza

06/10 - Com baguaçu, a febre vai pro brejo

29/09 - É a volta do cipó de aroeira

22/09 - Bom para bumbum de bebê

15/09 - Pimenta-de-macaco ajuda até a descascar abacaxi sem surpresas

08/09 - Quem disse que pau oco não faz milagre?

01/09 - Sinal vermelho para o sol

25/08 - Comigo ninguém pode… nem mesmo a poluição!

18/08 - Vacinar o cão para proteger o dono

11/08 - De veneno a fortificante

04/08 - Na horta marinha brota saúde e renda

28/07 - Patauá é prazer de cama e mesa!

21/07 - A saúde é índigo blue

14/07 - A inspiradora flexibilidade do pirarucu

07/07 - Para curar qualquer ferida

30/06 - Pau-terra contra os efeitos do estresse

23/06 - Viva São João! Lá no alto e aqui no chão!

16/06 - Bicão high-tech

09/06 - Erva pra cabeça, por dentro e por fora

02/06 - Há males que vêm pra bem

26/05 - Tucupi, tacacá e tá na cara

19/05 - Esse chá de cogumelo é do bom!

12/05 - Um dedal de esperança contra alergias

05/05 - Só uma santa para derrotar a celulite!

28/04 - Mosquitos contadores de histórias

21/04 - Tremiliques da grumixava

14/04 - Coquinhos para encher o tanque

07/04 - O rapa das bactérias mineradoras

31/03 - Pimenta na salmonela dos outros é antisséptico

24/03 - Como bem dizia Anchieta…

17/03 - Comer, beber, emagrecer

04/03 - Do lixo para as passarelas

03/03 - Para matar a sede de saúde

24/02 - Varre, varre a dengue, vassourinha…

17/02 - Microexército para macrobatalhas

10/02 - Deu praga na praga

03/02 - Para rejuvenescer, use o escorrega-macaco

27/01 - Cascavel na veia ou em cápsulas?

20/01 - Madeiras que cantam e encantam

13/01 - Falta ar? Recorra ao peixe venenoso!

06/01 - Comece bem, com a pata-de-vaca certa!

16/12 - Um toque de sabor e textura aos congelados

09/12 - Overdose agrícola tem cura!

02/12 - Uma torneirinha para o bem-estar

25/11 - Para o alto e além!

18/11 - Vírus por vírus, o nacional é melhor

11/11 - A criativa defesa das pererecas

04/11 - Como tirar plástico da mandioca

28/10 - O inibidor de serpentes

21/10 - Relaxe! Deixe o herpes com a marcela

14/10 - Contra gripes e resfriados, use o guarda-sol

07/10 - Para lavar a égua… Ops: a água!

30/09 - Regeneração óssea sai da zona do vinagre

23/09 - Lugar de caju é na escova de dentes

16/09 - E carrapato lá tem serventia?

09/09 - A aposta no picão-preto

02/09 - As vantagens de ser homem-aranha

26/08 - Vai antigraxa aí, doutor?

19/08 - Um segredinho para adiar a morte

12/08 - Alívio é com a cabeludinha

05/08 - Esponjas para lavar o Mal do Século

29/07 - Medidores bat-precisos e bat-econômicos

22/07 - Vazou petróleo no mar? Camarão nele!

15/07 - Buriti: das veredas para os semáforos

14/07 - Luzinha ‘dedo-duro’

14/07 - Caranguejeiras x super bactérias

Receba as noticías mais recentes

assine RSS Biodiversa