BLOGS |Biodiversa

A criativa defesa das pererecas Liana John - 11/11/2010 às 11:11

Viver entre a água e a terra exige dos anfíbios boa capacidade de adaptação. É preciso se proteger dos predadores de ambos os ambientes e também resistir a doenças causadas por bactérias e fungos, abundantes, variados e sempre prontos para “atacar”. Para complicar, a respiração dos anfíbios se dá pela pele, o que significa alta permeabilidade e risco ainda maior de contaminação. 

Sem recursos de garras ou dentes contra os predadores, nem roupas e luvas isolantes contra os patógenos, os anfíbios se tornaram mestres em defesas químicas. Possuem glândulas capazes de produzir uma ampla gama de compostos bioativos, adaptados contra as ameaças particulares do ecossistema onde vivem. 

Em geral, combinam substâncias destinadas a causar mal estar ou apresentar sabor/cheiro ruim, como estratégia de defesa contra predadores, e compostos destinados a matar os micro-organismos nocivos, como estratégia de defesa contra doenças. 

Desnecessário dizer que tais compostos são quase uma biblioteca de opções para pesquisadores interessados em desenvolver fármacos de todo o tipo. É o que faz a equipe do Laboratório de Espectrometria de Massa, na Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia (Cenargen), composta por quatro pesquisadores, um analista e 26 estudantes de graduação e pós-graduação.

O biólogo especializado em nanotecnologia, Luciano Paulino da Silva, membro dessa equipe, destaca como promissoras as pesquisas em andamento com três espécies de pererecas brasileiras do gênero Phyllomedusa: P.tomopterna, P. rohdei e P. burmeisteri. 

“Buscamos na natureza a inspiração de bioestruturas e modelos de macromoléculas e utilizamos a informação para desenvolver produtos ou processos tecnológicos. A partir dos modelos naturais modificamos ou desenhamos moléculas em laboratório, obtendo a atividade desejada”, explica Silva. “No caso dos anfíbios – assim como muitos outros animais silvestres – não é possível trabalhar com o material natural, pois não se obtém quantidades suficientes e seria predatório”.  

Em outras palavras, apenas a bioprospecção é feita com as substâncias naturais, recolhidas da pele dos animais, por lavagem, e depois liofilizadas e purificadas. Uma vez comprovada alguma atividade de interesse, o caminho é sintetizar as moléculas análogas em laboratório e deixar as pererecas em paz. 

Entre os compostos de defesa das três filomedusas foram encontradas diversas bradicininas (10, em média, para cada espécie), provavelmente associadas a mecanismos de defesa contra predadores. Ao abocanhar uma perereca dessas, tanto mamíferos como serpentes podem experimentar dor e desconforto, além de sentir contrações dos músculos lisos (sistema digestivo), sendo induzidos a regurgitar a presa. 

As bradicininas de laboratório, inspiradas nas naturais, foram estudadas por Nathália Mundim, da Universidade de Brasília (UnB), em sua tese de mestrado sob orientação de Luciano Paulino da Silva. Mostraram atividade contra câncer de boca, possivelmente através da redução da alimentação do tumor (via vasos sanguíneos). Nathália também fez testes com amostras de sangue humano do tipo O positivo, e os compostos não apresentaram toxicidade.  

Restam muitos estudos e testes a realizar até chegar a um medicamento, mas a promessa é boa. A equipe notou, igualmente, forte atividade hipotensora, ou seja, há possibilidade de obter um fármaco contra hipertensão. Sem contar as atividades contra infecções, antibacterianas, fungicidas e assemelhadas. 

O pesquisador explica, ainda, que “a absorção desses compostos presentes na pele das pererecas é muito rápida. Assim, sua viabilização como fármaco depende de uma forma eficiente de encapsulamento, capaz de dosar a liberação do princípio ativo”. 

Para resolver o problema, a equipe trabalha com nanocápsulas de quitosana, um material derivado das carapaças de crustáceos (Veja o blog “Derramou petróleo no mar? Camarão nele!”, de 22/07/2010). “As nanocápsulas de quitosana permitem criar um sistema de liberação controlada dos princípios ativos, com entrega seletiva diretamente no local que requer tratamento”, acrescenta o especialista. Isso significa produzir comprimidos (uso interno) com a possibilidade de liberar doses contínuas de forma prolongada, à semelhança dos adesivos com hormônios (uso externo). E a quitosana ainda tem a vantagem de ser fácil de eliminar, porque é biodegradável. 

Conclusão: Nada como pererecas bem resolvidas em questão de defesa individual para abrir um bom leque de possibilidades criativas para a indústria farmacêutica!


FOTO 1: Germano Woehl Jr/Instituto Rã-Bugio (Phyllomedusa distincta)

FOTO 2: Tatiana Freitas Fioravante, Kelliane Almenida Medeiros e Luciano Paulino da Silva/Cenargen (imagem de microscopia de força atômica mostrando nanocápsulas de quitosana com peptídeo de anfíbio) 

ver este postcomente
Comentários

11/11/2010 às 11:59 Anonymous - diz:

Haroldo Castro – diz:O sistema de defesa das pererecas (e dos anfíbios em geral) é fabuloso! Mas as substancias podem até matar, como as produzidas pelas rãs Dendrobates. O liquido expelido pela Dendobrates azureus (Suriname) é usado pelos indigenas para caçar. Valeu.

11/11/2010 às 12:09 Anonymous - diz:

Flavia Castro – diz:Obrigada Haroldo por encaminhar o link para esse blog. Realmente é muito interessante. Parabéns Liana! Irei acompanhar. Beijos

11/11/2010 às 12:26 Anonymous - diz:

Luis Gonzaga Truzzi – diz:As pererecas são impressionentes mesmo! Me lembrei do cd que recebi de um hóspede : ” Love songs of Texas frogs” !Gostei muito de sua dica tb !!Abraços,Zaga.

11/11/2010 às 13:22 Anonymous - diz:

Richard Sotero – diz:Fantástica essa matéria! E quanta informação! Não sei como a jornalista consegue tantas informações sobre um tema como esse. E parabéns aos pesquisadores.

11/11/2010 às 14:21 Anonymous - diz:

Rudimar Cipriani – diz:Super interesante o artigo. A cada matéria sua postada aqui mais me surpreendo com o leque de possibilidades proporcionadas pela nossa biodiversidade. Mais do que informação, mais do que conhecimento, seus artigos nos remetem a uma reflexão do quanto é importante cuidarmos e preservarmos cada ser por mais discreto e insignificante que possa paracer. Via de regra, por pura falta de informação, anfíbios são seres injustamente desprezados e vistos como animais abomináveis. Quem sabe, cientes da sua real importância, tanto para o equilíbrio dos ecossistemas, quanto para as pesquisas visando a descoberta de novos fármacos, possamos ver despertar uma nova consciência e uma nova visão desses tão discriminados seres. Por isso, Liana, é tão relevante e dignificante seu empenho em difundir essas importantes informações.

11/11/2010 às 16:06 Anonymous - diz:

Marcia Pimenta – diz:O Lula precisa ler isso! Assim ele entende de uma vez por todas pq a biodiversidade é importante….

11/11/2010 às 18:18 Anonymous - diz:

isabel pellizzer – diz:Adorei ler esta matéria e os comentários também. Valeu Liana, parabéns!

07/03/2011 às 23:31 Anonymous - diz:

Silvana – diz:Moro em chácara e a espécie Hypsiboas Multifasciatus, que tinha abundantemente, sumiu do meu quintal. Há alguma explicação provável para isso??? Nestas últimas chuvas não tenho mais visto nem os sapos!!!

02/04/2011 às 16:39 Anonymous - diz:

Criativa defesa pererecas 273100_post.. He-he-he :)

22/04/2011 às 09:39 Anonymous - diz:

Criativa defesa pererecas 273100_post.. Super :)

29/04/2011 às 02:20 Anonymous - diz:

Criativa defesa pererecas 273100_post.. Awful :)

31/05/2011 às 16:00 Anonymous - diz:

Thanks for shanrig. What a pleasure to read!

01/06/2011 às 05:22 Anonymous - diz:

8Dz0GC vskhpipeckaw

01/06/2011 às 05:28 Anonymous - diz:

8Dz0GC vskhpipeckaw

02/06/2011 às 20:30 Anonymous - diz:

Criativa defesa pererecas 273100_post.. Very nice :)

03/06/2011 às 02:01 Anonymous - diz:

Criativa defesa pererecas 273100_post.. Retweeted it :)

04/06/2011 às 20:51 Anonymous - diz:

Criativa defesa pererecas 273100_post.. OMG! :)

05/06/2011 às 02:17 Anonymous - diz:

Criativa defesa pererecas 273100_post.. Keen :)

02/07/2011 às 02:35 Anonymous - diz:

Criativa defesa pererecas 273100_post.. Super :)

02/07/2011 às 08:03 Anonymous - diz:

Criativa defesa pererecas 273100_post.. WTF? :)

24/04/2013 às 13:38 Lauro Penha de A.Júnior - diz:

Como evitar infestação de pererecas num condominio, o lugar umido,
está invadindo os apartamentos.

Espero uma resposta. Obrigado.

15/05/2013 às 10:49 virginia - diz:

Bom dia!

Meu neto tem três anos, estava brincando no quintal e encontrou uma perereca, cinza e rajada de cinza mais claro. Pegou-a na mão e ficou brincando com ela…depois coçou o olho esquerdo, e agora está se queixando de dores no olho e o mesmo está avermelhado.
Pode me informar se esta espécie de perereca causa algum tipo alérgico ou infeccioso a visão???

Obrigada

OBS: Espero resposta urgente

24/08/2013 às 08:55 mauro de souza - diz:

olá bom dia, na caixa dágua da minha casa tem pererecas, então eu gostaria de saber se elas tem doenças transmissiveis pois tenho 2 filhos, e estou muito preocupado, gostaria de ter ésta informaão… obrigado! ass; mauro souza.
e gostaria de saber se tem perigo cozinhar com ésta agua.

24/08/2013 às 20:55 Liana John - diz:

Oi Mauro

As pererecas não transmitem doenças, mas o que elas fazem na sua caixa d’água? O ideal é fazer uma limpeza e tampar as caixas d’água. Se elas estão lá é porque estão encontrando comida (mosquitos, por exemplos) e os insetos, sim, podem transmitir diversas doenças, a começar pela dengue.

01/12/2013 às 23:51 Patricia Cavalcanti - diz:

Ola, boa noite
Gostaria muito de saber se o veneno K-otrine pode matar pererecas!??.
Costumo passar esse veneno na casa toda pelos cantos das paredes para controlar formigas e outros bichos que podem ser comidas de escorpioes ( aqui tem muitos e morro de medo) . Daí tinha uma perereca que morava no meu banheiro e ela apareceu morta, fiquei triste e queria saber se pode ter sido pelo k-otrine!???
Por favor me responda!
Grata
Patriia Cavalcanti

05/12/2013 às 22:15 Liana John - diz:

Olá Patricia
O K-otrine é um inseticida piretroide sintético fabricado à base de deltametrina. Costuma ser relativamente inofensivo para mamíferos, incluindo seres humanos, exceto nos casos de pessoas alérgicas que podem ter problemas gastrointestinais e neurológicos agudos. Para outras classes de animais, porém, pode ser letal e esse é o caso dos anfíbios, como a perereca que você citou, e também de crustáceos, moluscos e plâncton.
Para combater os escorpiões, em geral, a melhor solução é eliminar os criadouros, ou seja, montes de entulho e lixo. Tudo o que atrai baratas atrairá também os escorpiões, que delas se alimentam. Então uma boa faxina pode ser uma alternativa melhor, no seu caso, do que passar veneno pela casa toda. Sobretudo se os locais onde voc~e pulveriza são frequentados por crianças e pessoas alérgicas.

22/02/2014 às 12:16 Sara - diz:

Gente preciso de ajuda!!!!! tenho uma casa na beira de um lago e sempre estou inventando uma desculpa pra ñ acompanhar meu esposo em suas pescaria, mas a verdade é que eu tenho pavor de pererecas e qd estou lá ñ consigo ver outra coisa, será que tem algum jeito de espanta-las de dentro de casa, para que eu possa dormir em paz? me respondam por favor!

Deixe aqui seu comentário: Preencha os campos abaixo para comentar, solicitar ou acrescentar informações. Participe!

Enviar

Biodiversa

LIANA JOHN

é jornalista ambiental. Escreve sobre conservação, mudanças climáticas, ciência e uso racional de recursos naturais há quase 30 anos, nas principais revistas e jornais do país. Ao somar entrevistas e observações, constatou o quanto somos todos dependentes da biodiversidade. Mesmo o mais urbano dos habitantes das grandes metrópoles tem alguma espécie nativa em sua rotina diária, seja como fonte de alimento ou bem-estar, seja como inspiração ou base para novas tecnologias. É disso que trata esse blog: de como a biodiversidade entra na sua vida. E como suas opções, eventualmente, protegem a biodiversidade.

Clique e faça o download

Revista do clima Material de etiqueta

Posts anteriores

Receba as noticías mais recentes

assine RSS Biodiversa