BLOGS |Biodiversa

Caju com resíduos faz do piso à telha Liana John - 03/11/2011 às 14:56

 

Junte montanhas de buchas de coco; caminhões e caminhões de aparas de papel; toneladas de cascas de arroz e serragem à vontade e você estará às voltas com problemas de espaço em aterros sanitários, alto risco de incêndio e grande probabilidade de entulhamento de cursos d’água. Acrescente LCC e tudo isso vira material de construção de qualidade, com alta resistência!

E o que é LCC? É Líquido de Castanha de Caju, um subproduto da indústria de castanha de caju, disponível e barato em estados como Ceará e Piauí, de onde sai quase 80% da produção brasileira. O líquido é, na verdade, um óleo que recobre o fruto do cajueiro (Anacardium occidentale), lembrando que o fruto é a castanha,  enquanto aquela parte suculenta entre o amarelo e o vermelho a que chamamos de caju é apenas um pedúnculo.

No Brasil, para cada tonelada de castanha de caju processada, são obtidos cerca de 650 quilos de LCC. Como a produção brasileira de castanhas anda em torno dos 230 mil toneladas e o uso industrial do LCC ainda é muito incipiente, não é difícil concluir quanto óleo anda sobrando…

Extremamente corrosivo quando cru, o óleo contém ácido anacárdico, cardanol e diversas outras substâncias de interesse. Dependendo da forma como é extraído, permite a polimerização, ou seja, pode passar por uma reação química que transforma as moléculas, combinando-as como macromoléculas. Em outras palavras, fica tudo quimicamente colado, conferindo resistência extra aos produtos.

A ideia de transformar resíduos de biomassa em material de construção não é nenhuma novidade, mas as misturas destes resíduos agrícolas e industriais com o LCC, sim. Tanto que já foi requerida patente junto ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI). E o engenheiro químico João Tarciso Cyrino Bessa já montou uma empresa para trabalhar com esse tipo de produto, a Aglodeste – Aglomerados do Nordeste Ltda, incubada no Parque de Desenvolvimento Tecnológico da Universidade Federal do Ceará (Padetec).

“É uma indústria-piloto, onde desenvolvemos a tecnologia para fabricação dos aglomerados, com resíduos diversos”, explica. O desenvolvimento durou 18 meses e agora a empresa está pronta para repassar a tecnologia para indústrias interessadas em colocar os diversos produtos no mercado.

O momento é oportuno, dada a queda no preço internacional das castanhas, conforme destaca Selma Elaine Mazzetto, da Universidade Federal do Ceará (UFC), no artigo Óleo da castanha de caju: oportunidades e desafios no contexto do desenvolvimento e sustentabilidade industrial: “A queda no valor das amêndoas e o baixo custo da mão-de-obra nos países produtores concorrentes, atrelados à busca por fontes renováveis como matéria-prima alternativa à petroquímica, fazem da estratégia de valorização do LCC uma perspectiva bastante atrativa”.

Segundo João Tarciso, os aglomerados feitos com LCC são polimerizados. “Foi um aprimoramento que fizemos, que nos permitiu transformar diversos resíduos – como palha de arroz, buchas de coco, papel e entulho de serraria – em pisos, divisórias e até telhas”, comenta o engenheiro. “Depois fizemos diversos testes aqui na empresa: o piso aguenta alto impacto e as telhas – feitas com LCC e papel – praticamente não absorvem água, tendo excelente desempenho”.

A tecnologia foi desenvolvida em parceria com a UFC e contou com recursos do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Além dos materiais de construção, o mesmo processo também pode servir na produção de tubulação para esgotos, fabricação de circuitos impressos e isolantes.

Como vemos, está na hora de mudar os dizeres da sabedoria popular “tudo o que é demais sobra, tudo o que sobra é resto e tudo o que é resto vai para o lixo”. No caso do caju e dos resíduos agroindustriais estudados no Padetec, tudo o que é demais e sobra pode virar parede, piso, telha, cano, casa, escritório, loja…

 

Foto: Rudimar Narciso Cipriani

ver este postcomente
Comentários

03/11/2011 às 22:25 Regina Teixeira - diz:

Liana,

Quero agradecê-la por tanta informação bacana. E viva o cajueiro!

03/11/2011 às 23:02 elisa - diz:

Demais!!Adorei!!!

03/11/2011 às 23:04 elisa - diz:

Ah!! Minha sobrinha se chama Liana!!! Abraco

04/11/2011 às 00:07 Lia Inez - diz:

Tudo de Bommmmmmmm!!!!Ótima notícia!

04/11/2011 às 10:59 Rudimar Cipriani - diz:

Nossa, Liana, quanta coisa interessante a gente aprende lendo seus artigos. Muito interessante este último que fala do caju. Parabéns e obrigado por nos agraciar com tanta informação.

05/11/2011 às 14:17 marli camargo - diz:

Wow! viva o cajueiro! viva brasil.!Parabens
aos inventores.

08/11/2011 às 12:23 Fernando Ursen - diz:

Muita informação interessante, sorte de quem empreender, parabéns pela matéria, o Brasil precisa disso e o Nordeste é a recompensa, viva a naturaza, viva o cajú!

14/11/2011 às 18:34 Ciência para todos! - Paisagem Fabricada - diz:

[...] Biodiversa já demonstra como a biologia e a diversidade são temas extremamente interessantes. Frutas que são matérias-primas para materiais de construção, peixes que possuem escamas que influenciam a engenharia e venenos que servem para curar. Ler sobre [...]

25/11/2011 às 18:51 KARINE - diz:

E, será q não dá pra fazer cola para colar outros produtos com esse LCC>
Muito grata + una vez pela informação, são textos fáceis de se entender, q até una criança entende fácil!!!
Abraços 10000

25/11/2011 às 19:20 Liana John - diz:

Oi Karine, acredito que seja possível usar o LCC para outros produtos também.
Seria ótimo se alguma indústria se interessasse em fazer uma cola comercial para colocar no mercado, ampliando nossas opções de consumidores.

Deixe aqui seu comentário: Preencha os campos abaixo para comentar, solicitar ou acrescentar informações. Participe!

Enviar

Biodiversa

LIANA JOHN

é jornalista ambiental. Escreve sobre conservação, mudanças climáticas, ciência e uso racional de recursos naturais há quase 30 anos, nas principais revistas e jornais do país. Ao somar entrevistas e observações, constatou o quanto somos todos dependentes da biodiversidade. Mesmo o mais urbano dos habitantes das grandes metrópoles tem alguma espécie nativa em sua rotina diária, seja como fonte de alimento ou bem-estar, seja como inspiração ou base para novas tecnologias. É disso que trata esse blog: de como a biodiversidade entra na sua vida. E como suas opções, eventualmente, protegem a biodiversidade.

Clique e faça o download

Revista do clima Material de etiqueta

Posts anteriores

03/07 - Fungo dá conta de limpeza ambiental da pesada

26/06 - Para pintar o sete entre quatro paredes

19/06 - Cerveja de mel com um toque junino

12/06 - O doce e lucrativo ataque das cochonilhas

05/06 - Babaçu deixa a limpeza mais limpa

03/06 - Morre Marigo, fotógrafo da natureza brasileira

29/05 - Cipós sociais com um quê de Murano

15/05 - Vem aí a revolução das embalagens comestíveis

08/05 - Polinizadores “Made in Brazil”

02/05 - Da merenda ao colchão, passando pelo uísque de bolinha

24/04 - Ninfeias e o valioso ar de sua graça

17/04 - Castanhas de mil e uma utilidades

10/04 - Pupunha para mamães, motores e cabritos

03/04 - Deu branco na queimadura

27/03 - Um acaso contra dor e inflamação

13/03 - Três aves para silenciar um trem

06/03 - Cajá combate, rebate e refresca

27/02 - Capturaram o pulo do gato

20/02 - É para comer, para lavar o cabelo e para salvar a pesca também

13/02 - Alga marinha é boa para chuchu

06/02 - Um besouro ainda vai vigiar sua comida

30/01 - Direto dos manguezais, uma solução contra a podridão

23/01 - Cafezinho bom já vem da roça com fungo

16/01 - Mais mandacaru, agora para engrossar o caldo!

09/01 - Bote mandacaru para aguar sua pele

27/12 - Flores brancas para encerrar o ano

19/12 - Ginseng brasileiro: da várzea aos holofotes

13/12 - Adubo verde à moda amazônica

05/12 - Açaí no filtro, saúde na comunidade

28/11 - Quer pendurar bem pendurado? Imite a preguiça!

22/11 - Microcomplô contra excesso de vinhaça e emissões de carbono

18/11 - Os pingos nos “is” do queijim mineiro

07/11 - Corais para driblar infecções hospitalares

31/10 - A hora e a vez das taturanas antivirais

24/10 - Sai o pesticida, entra o pequiticida

17/10 - Reforço verde contra a osteoporose

11/10 - Pequenos curtumes, grande sacada!

03/10 - Todas as cores da Caatinga

26/09 - Parasitas, às armas!

19/09 - Aposte na cascavel contra tumores e inflamações

12/09 - Cumaru, muito além do banho de cheiro

05/09 - Quando as estruturas pedem reforços

29/08 - O micro segredo das safras turbinadas

22/08 - Sem bactérias e leveduras, neca de biorrefinarias

15/08 - Oiticica garante feijão e renda em tempos de seca

08/08 - Um veneno e muitas possibilidades

01/08 - Um capim para livrar a cara de adolescência

22/07 - Um besourinho para salvar a salvação do sertão

12/07 - Bálsamo para barbeados “barbeiros”

08/07 - Até o Tarzan ficaria amarradão

27/06 - Graveto-do-diabo baixa a guarda do vírus da AIDS

20/06 - Alívio colateral em casos de radioterapia

13/06 - Pele protegida é com o goiabão

07/06 - Bom para o paladar, bom para o cérebro

29/05 - Bacupari bom de boca

23/05 - Do toco oco sai de tudo um pouco

16/05 - Óleos essenciais x fungicidas sintéticos

09/05 - A união faz o reforço

02/05 - Nanofibras com óleo geram tecidos medicinais

25/04 - Como passar uma borracha nos defeitos ósseos

18/04 - Sabor e conservação à moda Baniwa

11/04 - Sofisticação casa com sustentabilidade, sim senhor!

04/04 - Vai até o pelinho do caroço!

28/03 - Uma tijolada no desperdício

21/03 - Mais buriti: leve, claro e fresquinho

14/03 - Um substituto para o maldito isopor

07/03 - Gruda até debaixo d’água

28/02 - Um mato baixo contra a alta da malária

21/02 - Enzimas boas de briga

14/02 - Como se coloca uma baleia em um ventilador?

07/02 - Corta fadiga e apaga fogachos

31/01 - Erva-baleeira, a salvação dos esportistas bissextos

24/01 - Babaçu, o adsorvente eficiente

17/01 - Quando a inspiração vem do formigueiro

10/01 - Palmas para a carnaúba

03/01 - Pepinos e conchas contra trombose e tumores

27/12 - Orelha de onça acaba com asma, rinite e afins

21/12 - Bambu da bica à boca

13/12 - Uma cutia como opção amazônica

06/12 - Todo charme dos painéis de fibras naturais

29/11 - Pequi, o protetor dos atletas

22/11 - Do lixo para o Spa

15/11 - Fungos para curar nossos solos

08/11 - Uma microalga para dois macrodesejos: emagrecer e não envelhecer

01/11 - Para curtir sem poluir

25/10 - O fim (da picada) está próximo!

18/10 - Saúde embalada com estilo!

11/10 - Sentinelas nativos contra o estrangeiro voraz

05/10 - O lugar certo para a titica

27/09 - Pracaxi dá adeusinho às estrias

20/09 - Grandes lições de um pequeno construtor

13/09 - Ventilação à moda cupinzeiro

06/09 - Murumuru, a proteção que respira

30/08 - Do Cerrado, contra a dengue

23/08 - Quando as conchas entram pelo cano

16/08 - A proteção que vem da Caatinga

09/08 - Cheirinho fatal

02/08 - Mesma forma, nova função, tremenda inovação

26/07 - Bom para a tosse e bom para o clima

18/07 - Cheirosa, gostosa e – porque não? – decorativa

12/07 - Às favas com as varizes

05/07 - De amarga já basta a vida

28/06 - Uma borracha que duuuuuuura…

21/06 - Vamos todos tomar caju!

14/06 - Problemas com glicose? Aposte no cambuci!

07/06 - Das lagoas para as indústrias

31/05 - Como canários numa mina de carvão

24/05 - Não adianta chorar pelo petróleo derramado

17/05 - Camucamu contra gripes e resfriados

11/05 - Uma ponte para dois remédios

03/05 - Guanandi reabilita a várzea amiga

26/04 - Coração forte como um touro

19/04 - Para viajar sem jet lag

12/04 - Mensageiras das boas águas

05/04 - Os poderes ocultos do X-Caboquinho

29/03 - Do couro n’água ao couro d’água

22/03 - Descole, se for capaz

15/03 - Frutas com veneno, nunca mais!

08/03 - Uma invasora contra invasões

01/03 - Larica de priprioca

23/02 - Em passo de formiguinha…

16/02 - O toque de Midas da bromelina

09/02 - Curauá enfrenta até terremoto!

02/02 - Da boca da serpente

26/01 - Com mulungu, mamulengo é moleza!

19/01 - Com mandacaru não tem água turva

12/01 - Pode comer que… é batata!

05/01 - Um catavento contra o câncer de laringe

22/12 - Enfim um fim para micoses teimosas!

15/12 - A volta por cima da velha piaçava

08/12 - Quando a ferroada vira remédio

01/12 - Feijoa: guardem bem este nome!

24/11 - A proteção está no bagaço

17/11 - Coco no cabelo, casca no churrasco

10/11 - Novo etanol sairá do solo amazônico

03/11 - Caju com resíduos faz do piso à telha

28/10 - O macaco está certo!

20/10 - Sujeira da grossa pede bactérias faxineiras

13/10 - O conservante dos conservadores de beleza

06/10 - Com baguaçu, a febre vai pro brejo

29/09 - É a volta do cipó de aroeira

22/09 - Bom para bumbum de bebê

15/09 - Pimenta-de-macaco ajuda até a descascar abacaxi sem surpresas

08/09 - Quem disse que pau oco não faz milagre?

01/09 - Sinal vermelho para o sol

25/08 - Comigo ninguém pode… nem mesmo a poluição!

18/08 - Vacinar o cão para proteger o dono

11/08 - De veneno a fortificante

04/08 - Na horta marinha brota saúde e renda

28/07 - Patauá é prazer de cama e mesa!

21/07 - A saúde é índigo blue

14/07 - A inspiradora flexibilidade do pirarucu

07/07 - Para curar qualquer ferida

30/06 - Pau-terra contra os efeitos do estresse

23/06 - Viva São João! Lá no alto e aqui no chão!

16/06 - Bicão high-tech

09/06 - Erva pra cabeça, por dentro e por fora

02/06 - Há males que vêm pra bem

26/05 - Tucupi, tacacá e tá na cara

19/05 - Esse chá de cogumelo é do bom!

12/05 - Um dedal de esperança contra alergias

05/05 - Só uma santa para derrotar a celulite!

28/04 - Mosquitos contadores de histórias

21/04 - Tremiliques da grumixava

14/04 - Coquinhos para encher o tanque

07/04 - O rapa das bactérias mineradoras

31/03 - Pimenta na salmonela dos outros é antisséptico

24/03 - Como bem dizia Anchieta…

17/03 - Comer, beber, emagrecer

04/03 - Do lixo para as passarelas

03/03 - Para matar a sede de saúde

24/02 - Varre, varre a dengue, vassourinha…

17/02 - Microexército para macrobatalhas

10/02 - Deu praga na praga

03/02 - Para rejuvenescer, use o escorrega-macaco

27/01 - Cascavel na veia ou em cápsulas?

20/01 - Madeiras que cantam e encantam

13/01 - Falta ar? Recorra ao peixe venenoso!

06/01 - Comece bem, com a pata-de-vaca certa!

16/12 - Um toque de sabor e textura aos congelados

09/12 - Overdose agrícola tem cura!

02/12 - Uma torneirinha para o bem-estar

25/11 - Para o alto e além!

18/11 - Vírus por vírus, o nacional é melhor

11/11 - A criativa defesa das pererecas

04/11 - Como tirar plástico da mandioca

28/10 - O inibidor de serpentes

21/10 - Relaxe! Deixe o herpes com a marcela

14/10 - Contra gripes e resfriados, use o guarda-sol

07/10 - Para lavar a égua… Ops: a água!

30/09 - Regeneração óssea sai da zona do vinagre

23/09 - Lugar de caju é na escova de dentes

16/09 - E carrapato lá tem serventia?

09/09 - A aposta no picão-preto

02/09 - As vantagens de ser homem-aranha

26/08 - Vai antigraxa aí, doutor?

19/08 - Um segredinho para adiar a morte

12/08 - Alívio é com a cabeludinha

05/08 - Esponjas para lavar o Mal do Século

29/07 - Medidores bat-precisos e bat-econômicos

22/07 - Vazou petróleo no mar? Camarão nele!

15/07 - Buriti: das veredas para os semáforos

14/07 - Luzinha ‘dedo-duro’

14/07 - Caranguejeiras x super bactérias

Receba as noticías mais recentes

assine RSS Biodiversa